Candidatura de Huck é loucura, loucura, loucura

A candidatura atemporal de Huck, não é outra coisa senão loucura, loucura, loucura!  Um jargão usado por ele mesmo durante o programa. Ora, um cidadão que nunca exerceu um cargo público, não pode achar que dirigir um País  é como apresentar um programa aos sábados, numa emissora envolvida em escândalo de propina com a Fifa, etc

A candidatura atemporal de Huck, não é outra coisa senão loucura, loucura, loucura!  Um jargão usado por ele mesmo durante o programa. Ora, um cidadão que nunca exerceu um cargo público, não pode achar que dirigir um País  é como apresentar um programa aos sábados, numa emissora envolvida em escândalo de propina com a Fifa, etc
A candidatura atemporal de Huck, não é outra coisa senão loucura, loucura, loucura!  Um jargão usado por ele mesmo durante o programa. Ora, um cidadão que nunca exerceu um cargo público, não pode achar que dirigir um País  é como apresentar um programa aos sábados, numa emissora envolvida em escândalo de propina com a Fifa, etc (Foto: Ricardo Fonseca)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Após a eleição do Presidente Maurício Macri na Argentina , do Prefake de São Paulo João Dória Jr. e do (Pato) Donald Trump nos EUA, a ondinha da direita parece que tomou conta da cabeça do apresentador global Luciano Huck. 

Eleitor de carteirinha do queimado Aécio Neves (PSDB), que segundo a grande imprensa, quer ser candidato a Presidente da República para  disputar com Bolsonaro, Marina, Ciro, Alckimin e Lula, as tão esperadas eleições de 2018. 

Huck tem na manga 23 anos de exposição na televisão, desde sua estreia num quadro no programa Perfil de Otávio Mesquita, que passava nas madrugadas da falida Rede Manchete, passando pelo programa H (que lançou as popuzudas Tiazinha e Feiticeira) na Band, até os dias atuais nas tardes de sábado na Rede Globo. 

A emissora dos Marinhos buscam um herói - desde o seu maior Case - Fernando Collor de Mello, que de “Caçador de Marajás”, virou “Espremedor de Marcujás”. A ascenção e queda de Collor, foi fruto direto das manchetes e minutos preciosos do Jornal Nacional, que incentivaram a grande mobilização dos “Caras-Pintadas”, que resultaria em sua renúncia, seguida de um midiático Impeachment desnecessário e desproposital. 

Pois bem, Huck sai da fogueira de suas vaidades e lança-se como um foguete, ao fogo pagão para fora do seu caldeirão, como se fosse  o mais novo “Salvador da Pátria de Chuteiras” do País do futebol. 

Não, o Brasil não precisa de heróis de cinema e muito menos da TV. O que o maior País da América Latina precisa, é de um ser humano que pense no povo, que busque soluções para frear a inflação, equalizar a economia, gerar emprego e renda, reduzir os gastos públicos e criar medidas para desenvolver o País. E não para promover o desmonte do poder público, privatizando e vendendo estatais importantíssimas para a soberania nacional, como tem feito o Presidente decorativo definitivo. 

Huck traz em sua bagagem muito assistencialismo promovido por seu programa semanal, que vai de reforma de carros velhos e enferrujados e casas caindo aos pedaços, passando por recolocação de pessoas ao mercado de trabalho e indo até ajudas financeiras para participantes sorteados através de cartas. Tudo isso é feito, para que eles sejam protagonistas de suas próprias histórias e dramas pessoais e com isso alavancar a audiência de sua atração sabadal.

Num levantamento realizado pelo Instituto Paraná Pesquisas, 60, 4% dos ouvidos desaprovam a sua candidatura à Presidência. Apenas 30% concordam com uma possível candidatura do apresentador, enquanto 9% não quiseram opinar. Confira aqui: 

http://veja.abril.com.br/blog/radar/em-novo-levantamento-60-desaprovam-huck-na-politica/

Para alguns, a decisão pessoal põe em risco a carreira e condições de vida do casal Huck e Angélica. Confira aqui: 

http://www.otvfoco.com.br/decisao-pessoal-poe-em-risco-carreira-e-condicoes-de-vida-casal-huck-e-angelica/

A bem da verdade, Luciano Grostein Huck que é empresário bem sucedido ( vem de família rica), não precisa da política para obter benéficos, ascensão social ou lucro financeiro. Você deve estar se perguntando: O que o move para ser candidato?   A resposta é simples, tão somente um desejo pessoal de talvez se tornar o Trump brasileiro. Não creio, que sejam outros os motivos para que abdique de uma vida de sucesso e glamour, para ter sua vida exposta e devassada de maneira pejorativa, que é o que ocorre, quando alguém se lança a qualquer cargo público nesse País. 

De igual forma, não creio que a Rede Globo, seja contra que um dos seus artistas do primeiro escalão (sucesso na publicidade), concorra ao mais alto posto da nação. O tipo de coisa que o progenitor da prole bilionária dos Marinhos Sr. Roberto Irineu, sempre fez desde os governos militares, que foi o de indicar, apoiar e fortalece-los e óbvio, tirou muito proveito disso.  

A candidatura atemporal de Huck, não é outra coisa senão loucura, loucura, loucura!  Um jargão usado por ele mesmo durante o programa. Ora, um cidadão que nunca exerceu um cargo público, não pode achar que dirigir um País  é como apresentar um programa aos sábados, numa emissora envolvida em escândalo de propina com a Fifa, etc. 

A sua tão requisitada imagem já foi (por ele mesmo) associada a do Senador destruidor do ninho tucano Aécio Neves e, dificilmente se sustentará e sairá dos níveis baixos de aprovação pela população.  Ou seja, está muito difícil pro apresentador conseguir a receita certa em seu caldeirão, para encantar o povo já cansado dos “falsos profetas” da política. 

Que a sua Angélica, para o bem da sua família, consiga demovê-lo dessa loucura que é trocar uma carreira artística consolidada, pela experiência política laboratorial e obviamente desastrosa no ano que vem.

O Brasil gosta de ver o Caldeirão, mas não gostará nem um pouco de ser o tempero para a construção de um novo Collor de Mello. Temer conseguiu destruir, assim como Aécio, qualquer possibilidade da direita ocupar o poder novamente. O País que grita de esperança, só com a possibilidade de Lula ser um Pré-Candidato, dificilmente engolirá o apresentador como adversário à altura. 

Que a experiência malsucedida do todo-poderoso Sílvio Santos, ocorrida há 29 anos atrás, quando resolveu concorrer à Presidência, sirva de exemplo para o carismático narigudo que anima todas as tardes tediosas de sábado com a sua genialidade de fazer o bem, trazendo a alegria para os lares mais remotos desse País. Tomara que o seu engajamento não se perca na imensa vaidade que atinge como um furação, as classes brasileiras mais abastadas , em ter no mais alto poder da República , um super-herói capaz de exterminar esse monstro que está dilapidando o nosso País – a corrupção de Temer e de muitos da classe política! 

#obrasilnaoehcaldeirao   #foratemer #lula2018   

 

       

  

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247