Carina e o haraquiri do Kataguiri

Carina Vitral, a moça dos cachinhos, presidenta da UNE, de camisa azul, tirou as havaianas e deu várias chineladas na bunda murcha do anão

Carina Vitral, a moça dos cachinhos, presidenta da UNE, de camisa azul, tirou as havaianas e deu várias chineladas na bunda murcha do anão
Carina Vitral, a moça dos cachinhos, presidenta da UNE, de camisa azul, tirou as havaianas e deu várias chineladas na bunda murcha do anão (Foto: Lelê Teles)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

há dois orientais desorientados na direita.

um é o Japonês encanecido da Federal, conhecido entre os escroques como o Japonês Bonzinho.

kamikaze, o velhote mergulhou de cabeça na refrega político-jurídico-midiática; farejou aí a oportuna chance de gastar seus 15 minutos de infâmia.

virou herói os reacionários, xodó do Jornal Nacional.

até que alguém teve a lúcida ideia de puxar a "capivara" dele e, qual não foi a surpresa, o sacana tava todo enrolado com a justiça.

com mil diabos!

arrancaram-lhe a máscara. o malandro, veja que coisa vexosa, foi condenado por chefiar uma malta de contrabandistas.

aquele desavisado que ilustrou seu avatar, no Face, com a foto do Japonês Bonzinho, queimou o próprio filme.

hoje, coitado, vive como aqueles sem-noção que saíram às ruas, não faz muito tempo, defendendo a honestidade do aécio - grafemos sempre em minúsculas - e dando a cara a tapa pela reputação do Cunha.

hoje esses pobre-diabos vivem trancafiados em casa, no quarto escuro, evitando o espelho e a luz do dia, com vergonha da vizinhança e esfolando as próprias costas com um látego feito com couro de rola de jumento.

oro pela alma destes infelizes.

o segundo japa é o Pequeno Kim.

fã dos Power Rangers, esse anão moral foi escalado pelos plutocratas para fazer o trabalho sujo: se expor, destruindo a própria reputação, servindo como bucha de canhão dos golpistas.

depois de sua fracassada caminhada de lugar nenhum em direção ao nada, chegaram ao paroxismo de dar-lhe como prêmio por sua desonra, uma coluna em um jornal.

um analfabeto político com um megafone na mão, em suma.

vão triturá-lo até ficar só o bagaço, depois arrumam outro.

durante mais de um ano, Kim falou sozinho.

seja como youtuber, seja nos memes cretinos que espalhava pelas redes.

revelava-se ali um indivíduo oco, raso de ideias, com uma fala cheia de lugares-comuns e uma desonesta interpretação da história.

Kim se recusava até a discutir como está sendo gasta a grana que ele amealha dos incautos, quanto entra e pra onde vai.

nesse quesito, o japa age como um pastor.

aí, amigos meus, foi-lhe oferecido um debate.

na Folha. ou seja, o cara ia lutar em casa, juiz e torcida a favor.

sua oponente era uma garota.

ele deve ter vibrado.

os reaças, naturalmente misóginos, sempre acreditam que vão "humilhar" uma mulher no confronto de ideias.

Carina Vitral, a moça dos cachinhos, presidenta da UNE, de camisa azul, tirou as havaianas e deu várias chineladas na bunda murcha do anão.

Kim, ao ser esbofeteado pela retórica de Carina, restringiu-se a agir como Constantino, o Pateta, que ao ser desmascarado por Ciro Gomes se limitou a dar risinhos cínicos.

Kim sabe que cometera um haraquiri.

quem vai sair à rua hoje orgulhoso de ser representado por um indigente político como esse?

Kim é o famoso zero à direita, útil a todo plano ditatorial, do qual nos falava Trilussa.

é, ele e os analfabetos políticos que reverberam suas tolices, apenas um número, utilizado tão somente para dar volume e amplificar a voz da plutocracia.

Carina, com inteligente humildade, parecia querer dizer a Kim que ele era só mais um zero à direita.

talvez não o tenha feito por desconhecer o poeta italiano.

o caso, e o ocaso, desses dois japoneses, de Lobão e do revoltadão online, me fazem lembrar dos versos do grande Trilussa, poeta satírico italiano que zombava de Mussolini sem temer represálias.

certa vez ele publicou o poema Diálogo Entre o Um e o Zero, ei-lo:

Eu valho muito pouco, sou sincero,
dizia o Um ao Zero,
no entanto, quanto vales tu?
Na prática és tão vazio e inconcludente
quanto na matemática.
Ao passo que eu, se me coloco à frente
de cinco zeros bem iguais a ti,
sabes acaso quanto fico?
Cem mil, meu caro, nem um tico
a menos, nem um tico a mais.
Questão de números.
Aliás
é aquilo que sucede com todo ditador
que cresce em importância e valor
quantos mais são os zeros a segui-lo.

palavra da salvação.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247