Carta a Michelle Bachelet

A bajulação e a congratulação aos tiranos ditadores como no caso de Augusto Pinochet, Carlos Alberto Brilhante Ustra, entre outros criminosos, revela de forma contundente o processo de retrocesso civilizatório no qual o Brasil caminha

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

“A solidariedade é o sentimento que melhor expressa o respeito pela dignidade humana.”

Excelentíssima Senhora Comissária dos Direitos Humanos da ONU e ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet:

Dentro dos princípios civilizatórios, que boa parte do povo brasileiro possui as declarações grosseiras e repugnantes do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro sobre a senhora e seu pai causou-nos vergonha e ultraje por esta lamentável atitude de um chefe de Estado.  

Infelizmente a sociedade brasileira - por meio democrático - coexiste com um dos momentos mais deletérios de nossa História. Repetimos, inadvertidamente, os erros cometidos pelos italianos na década de 1920 e os alemães na década de 1930.  

Digo isso devido à mentalidade enferma, preconceituosa, e deformada de que, a cada declaração que o chefe de Estado do Brasil profere, atenta os princípios basilares do bom senso e da civilidade.

A ascensão desta figura grotesca, caricata e bufônica, é resultado do alto grau de polarização e patologia que acometeu a sociedade brasileira nos últimos anos, como também é o ensejo dos erros táticos e estratégicos das forças progressistas no Brasil.

A repulsa política propagada incessantemente pelo monopólio midiático, associada a uma turma de moralistas sem moral sitiada na denominada “República de Curitiba”, e a ineficiência e inabilidade das forças progressistas em responder aos clamores populares foram as condições basilares para o surgimento desta figura tosca como o atual presidente. 

Não tivemos o amadurecimento que os uruguaios tiveram na constituição da Frente Ampla; nem conseguimos ter a grandeza que Cristina Kirchner teve na Argentina; mas tivemos o desprendimento e a nobreza de Leonel Brizola, em 1998.

Entretanto, para consternação geral, o linguajar abjeto e desprezível contido nas declarações grosseiras do presidente, não é mero espasmo inadvertido. É, de fato, a mentalidade e a concepção dele e de boa parte do seu governo.

A bajulação e a congratulação aos tiranos ditadores como no caso de Augusto Pinochet, Carlos Alberto Brilhante Ustra, entre outros criminosos, revela de forma contundente o processo de retrocesso civilizatório no qual o Brasil caminha.

Adorador de torturadores e bandidos, inábil e truanesco no exercício da presidência faz da agressão palanque para seus seguidores tão enfermos como tal.

Neste sentido o mundo que não compactua com a barbárie, com o bestial, com o primitivo solidariza-se aos bravos chilenos que resistiram e doaram suas vidas contra a tirania do facínora, Augusto Pinochet, como também aos que continuam a sonhar e trabalhar por uma sociedade mais justa para que não se reproduzam mais mentalidades tão doentes como do presidente do Brasil.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247