Censura a Aquarius mostra a face repressora do governo golpista

Não é mais possível que o MinC esteja submetido ao alpinismo político de um ministro que submete à cultura e os artistas brasileiros ao constrangimento do retorno das formas mais rasteiras de perseguição política à arte e à cultura

Na segunda-feira, dia 12 de setembro, a Comissão Especial nomeada pelo MinC do ministro Marcelo Calero anunciou a indicação do filme que irá representar o Brasil no Oscar e, para a estupefação de todos, o filme indicado não foi Aquarius. A incrível obra cinematográfica de Kléber Mendonça Filho foi preterida pelos membros da comissão, mesmo sendo uma escolha esperada pelo conjunto da comunidade cultural e, sobretudo, pelos cineastas e realizadores do país, dadas as suas virtudes artísticas inequívocas, que fizeram dele um sucesso nacional e internacional de público e crítica.

Esse resultado era uma tragédia anunciada desde que o MinC, em 3 de agosto, anunciou quem seriam os membros da Comissão Especial. Os nomeados pelo ministério de Calero para a composição do grupo que indicaria o representante nacional, sinalizava para mais um caso de intervenção política em instâncias técnicas pelo governo golpista. Por exemplo, o crítico de cinema Marcos Petrucelli atacou duramente Aquarius nas redes sociais, mesmo dizendo que não tinha visto o filme de Kléber Mendonça Filho, pelas posições políticas do diretor e essas declarações absurdas foram premiadas com a nomeação de Petrucelli para a comissão que decidiu o filme a representar o cinema brasileiro no Oscar.

Tão evidente ficou a contaminação política na construção dessa Comissão Especial que dois membros nomeados renunciaram a permanecer como membros da comissão. Primeiramente, o cineasta mineiro Guilherme Fiuza Zenha saiu da comissão; depois a cineasta Ingra Liberatto renunciou, afirmando que como a comissão tinha "sua legitimidade questionada por grande parte de nossa classe" e que ela se retiraria "em respeito à minha própria tribo", lamentando "profundamente esse conflito" e torcendo "para que nova comissão encontre legitimidade" - "nós todos merecemos uma conclusão harmônica nesse processo", disse a atriz.

Diante do cenário politicamente corrompido para a escolha de nosso representante no Oscar, os cineastas Gabriel Mascaro e Anna Muylaert retiraram seus filmes do processo de seleção por acreditarem que, nas palavras de Anna Muylaert, "esse era o ano de Aquarius".

Nenhuma dessas manifestações foi capaz de sensibilizar o grupo nomeado pelo ministro Calero. A solução ao final não foi a harmonia desejada por Ingra, mas a execução de uma eleição que envergonha a história da Comissão Especial para a indicação do representante brasileiro no Oscar, que tem seu histórico marcado por escolhas técnicas e respaldadas pelos fazedores de cinema do Brasil.

É importante mencionar que o atual ministro da cultura Marcelo Calero, que hoje finge ser apartidário para tentar ganhar a simpatia da classe artística, é na verdade um tucano envergonhado. Foi candidato a deputado federal em 2010 pelo Rio de Janeiro com uma plataforma esdrúxula de recriar o Estado da Guanabara, além de ser contra a realização da Copa do Mundo no Brasil e das Olimpíadas do Rio. Fez pouco mais de 2 mil votos. Com o golpe, foi elevado ao cargo de Ministro de Estado diante da negativa de vários representantes reais do mundo da cultura de participar desse governo ilegítimo.

Não é mais possível que o MinC esteja submetido ao alpinismo político de um ministro que submete à cultura e os artistas brasileiros ao constrangimento do retorno das formas mais rasteiras de perseguição política à arte e à cultura.

Calero, frente às atitudes pequenas e mesquinhas que têm marcado sua gestão, seguirá sendo vaiado, não importando o destempero e o despreparo para o contraditório que tem demonstrado. Enquanto o ministro, que posa na figura moderna de jovem diplomata, seguir comandando a gestão das políticas culturais do Brasil com o espírito da velha política, a classe artística e os democratas brasileiros não se calarão. Esse ministro não entende a relação entre cultura e política em uma sociedade democrática.

A situação lamentável dessa eleição de nosso representante para o Oscar foi a culminância de uma trajetória de erros, de equívocos e de manobras que expõe a iniquidade política desse governo ilegítimo. E como em todo ataque à democracia e à liberdade de expressão, essa é uma circunstância em que somente há perdedores. Perdem os artistas, que são submetidos à perseguição mesquinha de um Ministério da Cultura sem legitimidade. Perdem os brasileiros, que não têm mais no MinC representantes com a dimensão republicana do cargo. Perde o filme escolhido, que se vê atacado por estar ocupando o lugar que a comunidade cultural e cinematográfica esperava ser de Aquarius. Perde a arte brasileira, que vê escapar a chance de colocar um filme maravilhoso na disputa por um inédito Oscar para o país.

A arte brasileira não tolera a censura, não suporta a mentira e não se corrompe por migalhas do poder ou por falsos sorrisos. Não é possível que a cultura brasileira volte a ser submetida aos ditames do patrulhamento político, da censura, da perseguição pessoal por posições ideológicas. A arte é exercício da liberdade e o MinC e o Ministro da Cultura deveriam ser os guardiões primeiros da liberdade artística e de expressão, e não seus cerceadores. Como diz Norberto Bobbio o homem da cultura está mais preocupado em disseminar as dúvidas do que em colher certezas. Vivemos tempos sombrios que serão marcados por retrocessos em todas áreas. Resistiremos.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247