Ciro Gomes: a estratégia do ressentimento

Ciro Gomes está buscando os órfãos do ódio bolsonaristas e do ressentimento marinista; está se lançando não como uma opção de esquerda, pois em sua avaliação, pelo o que não dar a entender, estes deverão continuar com o lulo-petismo: quem está ficando sem candidato é a direita e a extrema direita

(Foto: Adriano Machado - Reuters)

Nos últimos dias, temos visto diversas notícias, abordagens e tentativas de análise acerca de discursos e falas do ex-candidato à presidência da república pelo PDT, Ciro Gomes, cada vez mais ofensivas contra o PT, Lula e Haddad, inclusive, em nível pessoal, como destacou nesta terça feira o Brasil 247, em comentário à entrevista dada pelo mesmo ao jornal Estado de São Paulo.

Muito se tem escrito buscando identificar os interesses e as opções que movem Ciro Gomes. Hoje, por exemplo, o jornalista Ricardo Kotscho lançou-se ao intento e, numa interessante análise, buscou delinear alguns aspectos dos posicionamentos de Ciro Gomes, inclusive, lembrando sua “estranha fuga” para a Europa no segundo turno das eleições de 2018 e sua auto exaltada indisposição para uma “frente de esquerda”. Em suas palavras, diz Ciro Gomes: “unidade pra mim é o cacete”!

Tomando, pois, essas referências me pus também a refletir sobre o que move Ciro Gomes. Encontrei uma alternativa num conceito que, na minha impressão, vem se tornando o equivalente à esquerda do que o “ódio” foi (e vem sendo) à direita: o “ressentimento”, de cujo nosso primeiro expoente foi a também ex-candidata à presidente Marina Silva, da REDE!

Não por coincidência também ex-ministra do mesmo governo petista que, igualmente a Ciro Gomes, hoje demonstra rejeitar com um discurso fortemente ressentido, embora, talvez por sua formação evangélica, diferente daquele que tem raízes políticas no coronelismo cearense, sem descer as falas aos palavrões!

Mas, Ciro Gomes sabe o que está fazendo, e sabe o que está procurando. Seu ressentimento é uma estratégia; é uma antecipação clara de sua próxima campanha à presidência da república em 2022: e não será na esquerda que ele espera conseguir os votos que procura!

Como candidato, Ciro Gomes está buscando os órfãos do ódio bolsonaristas e do ressentimento marinista; está se lançando não como uma opção de esquerda, pois em sua avaliação, pelo o que não dar a entender, estes deverão continuar com o lulo-petismo: quem está ficando sem candidato é a direita e a extrema direita à medida que o desastre do governo Jair Bolsonaro fica evidente!

Portanto, o discurso do ressentimento ora destilado por Ciro Gomes faz parte de uma estratégia e tem um alvo! Não vê quem não quer!

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247