Cloroquina pode ser eficaz contra novo coronavírus, diz maior infectologista do mundo

O coronavírus é uma família de vírus causadora de várias doenças: de uma simples coriza à síndrome respiratória aguda severa (SARS), que matou 77 4 pessoas entre 2002 e 2003, ou ainda a síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS), que desde 2012 já provocou 858 mortes

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O Brasil assistiu atônito no último sábado a um vídeo caseiro, em que o presidente da república propalava em tom ufanista o uso da cloroquina como solução efetiva para a cura do Covid-19.

Embora o teor do vídeo tenha sido logo desmentido pela Anvisa e pelo hospital citado na fala, a cloroquina é potencialmente eficaz contra o coronavírus.

Quem afirma é o médico e pesquisador francês Didier Raoult, considerado pelos seus pares o mais importante infectologista do mundo.

Médico do Polo de Doenças Infecciosas de La Timone e Diretor do Instituto Mediterrâneo de Infecções de Marselha (França), o Dr. Raoult garante a eficácia da cloroquina no tratamento do coronavírus.

Didier Raoult figura como top no ranking do expertscape.com, em Expertise in Communicable Diseases, um site de classificação de especialistas nas diversas áreas médicas, conforme sua contribuição e experiência no tratamento de uma doença específica.

O Dr. Raoult cita sua própria experiência na área e as pesquisas de sua equipe, como também um estudo recente feito por pesquisadores chineses, publicado em 25 de fevereiro deste ano.

O estudo chinês avaliou clinicamente uma dezena de pacientes com Covid-19 em hospitais de Wuhan, Shangai e Pequim. Na área de doenças infecciosas e virologia os chineses estão entre os melhores do mundo, lembra o professor Raoult.

No combate ao novo coronavírus, entre os mais de 80 países infectados, a China é o país com o maior índice de recuperação de doentes, com 89% de curas até esta data.

Descoberta em 1934 por Hans Andersag, farmacologista da Bayer, a cloroquina faz parte de uma classe de medicamentos denominada 4-aminoquinolinas. Tem sido amplamente comercializada nas últimas décadas sob a forma de sais ou de hidróxido de cloroquina. É a substância mais utilizada preventiva e curativamente contra a malária.

Didier Raoult é o pioneiro no uso do hidróxido de cloroquina no tratamento de doenças infecciosas agudas, particularmente no combate de bactérias que se multiplicam dentro das células, e que até então não eram erradicáveis.

Medicamento polivalente, a cloroquina age pela modificação da acidez no interior de uma organela (uma “bolsa”) presente nas células, onde se alojam vírus e bactérias, liberando enzimas que os destroem.

“Tendo se mostrado eficaz para combater bactérias intracelulares, deve ser também para vírus de tamanho grande [como o SARS-CoV-2], porque uma vez que ele se instala pelo mesmo mecanismo, a cloroquina é capaz de destruí-lo no compartimento (organela) onde ele fica alojado”, explica o professor Raoult.

Em outras palavras, a cloroquina é capaz de interromper a nutrição das células infecciosas. Ela tem sido utilizada com sucesso no tratamento da malária há setenta anos, especialmente na África.

Há várias décadas é usada para tratar outras infecções por vírus e bactérias, como também algumas doenças autoimunes (quando o paciente produz anticorpos contra seu próprio organismo), como lúpus e artrite reumatoide.

Nos últimos trinta anos, o Dr. Raoult acompanhou pessoalmente cerca de 4 mil pessoas tratadas com este medicamento e, desde 2016, sua equipe aplicou 2 mil doses no sangue desses pacientes.

O coronavírus é uma família de vírus causadora de várias doenças: de uma simples coriza à síndrome respiratória aguda severa (SARS), que matou 77 4 pessoas entre 2002 e 2003, ou ainda a síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS), que desde 2012 já provocou 858 mortes.

SARS-CoV-2 é o nome científico do novo coronavírus, que já infectou mais de 532 mil pessoas no mundo e causou a morte de mais de 24 mil, desde que foi detectado na China, em dezembro de 2019.

Covid-19 é o nome da doença infecciosa respiratória causada pelo SARS-CoV-2, cujo período médio de incubação é de 5 a 6 dias, com extremos entre 2 e 12 dias, o que justifica a quarentena de 14 dias estabelecida pela OMS.

O primeiro paciente infectado com o novo coronavírus foi um comerciante do mercado de frutos do mar de Wuhan, na província chinesa de Hubei, no final de outubro de 2019. Poucos dias depois, cinco militares norteamericanos que participavam dos Jogos Militares Mundiais naquela cidade apresentaram os mesmos sintomas. Eles estavam hospedados em um hotel próximo do tal mercado, e foram tratados em um hospital local.

Portanto, não se sabe se o “paciente zero” é um chinês, ou um dos atletas dos EUA que já chegou na China contaminado, diz o experiente analista de geopolítica Pepe Escobar, autor de vários livros e colaborador da Al Jazeera, Sputnik e Asia Times, entre outras mídias internacionais.

“Há estudos publicados no respeitável Journal Science Med, dizendo que o vírus provavelmente não veio do mercado de Wuhan”, afirma Escobar. Ele informa que há cinco variantes do SARS-CoV-2 no mundo e que isto reforça a hipótese de que não foi um chinês o primeiro infectado.

Pepe Escobar acredita que a solução para a cura do Covid-19 venha da França, dos testes clínicos já comprovados com a cloroquina, pela equipe do Dr. Didier Raoult. A equipe médica do Instituto Mediterrâneo de Infecções de Marselha tratou um grupo de 24 pacientes de Codvid-19, com a cloroquina associada ao antibiótico azitromicina, tendo obtido êxito em mais de 90% dos casos.

“Há dez anos publicamos que este seria o ‘medicamento do futuro’ no tratamento de infecções virais”, diz o Dr. Didier Raoult. Mas ele lamenta que as agências prefiram medicamentos novos ao invés de utilizar moléculas antigas, das quais já se conhece a segurança e que podem ser usadas imediatamente, sem precisar esperar cinco anos por uma regulamentação, avaliação de toxidade e outros efeitos.

“Algumas vezes somos surpreendidos com os resultados de testes empíricos com moléculas antigas; é o repositionning, que fazem os chineses. Além disso, a cloroquina custa muito pouco, cerca de 10 centavos de euro o comprimido”, estima o professor Raoult.

Desde que eclodiu a pandemia de Covid-19, a aparição de Didier Raoult na mídia francesa tem sido recorrente, mas seus propósitos têm sofrido duras críticas e visto por jornalistas e médicos com ceticismo.

“A cloroquina pode apresentar ações antivirais, mas estamos longe de poder afirmar que ela pode ser testada de forma improvisada em pacientes de Covid-19, sem conhecer todos seus prós e contras”, declarou o Dr. Olivier Bouchaud, chefe do Serviço de Doenças Infecciosas e Tropicais do Hospital Avicenne, nos arredores de Paris.

Embora a cloroquina e a hidroxicloroquina sejam considerados medicamentos seguros, com efeitos colaterais geralmente moderados e transitórios, a margem entre suas doses terapêutica e tóxica é estreita.

A toxidade da cloroquina tem sido associada a distúrbios cardiovasculares que podem ser fatais, advertem Franck Touret e Xavier Lamballerie, pesquisadores do Instituto Nacional da Saúde e Pesquisa Médica (Inserm) da França, em artigo publicado no último dia 5. O uso da cloroquina e da hidroxicloroquina devem, portanto, se submeter a regras estritas, e sua automedicação não é recomendada, concluem Touret e Lamballerie.

E o estudo chinês é confiável? Pergunta recorrente feita por jornalistas da mídia empresarial francesa, já que o estudo realizado recentemente na China e citado por Didier Raoul foi publicado apenas em mandarim.

“Uma pergunta insultante”, rebate o professor Raoult, lembrando que a China não é apenas o maior produtor global de publicações em ciência, mas estão entre os melhores do mundo em virologia.

“Se os EUA descobrem um medicamento contra um vírus novo que surgiu em seu território, ninguém vai perguntar se a pesquisa que gerou a descoberta é confiável”, complementa o Dr. Raoul.

A razão desse descrédito sobre o possível uso da cloroquina no tratamento do Covid-19 é que um medicamento tão simples e barato não interessa à indústria farmacêutica, assevera o jornalista Pepe Escobar.

A gigante francesa Sanofi anunciou há dias que iniciaria a fabricação em massa da cloroquina, mas com monopólio de mercado na França, para “cobrar valores acima do mercado atual”, conclui Escobar. É a mesma lógica do Big Pharma dos Estados Unidos. O presidente Donald Trump declarou recentemente sobre o possível uso em massa da cloroquina, “apenas para agradar a Wall Street”, avalia Escobar.

A cloroquina não deixa de ser uma esperança para a cura em grande escala do Covid-19, mesmo que ainda sejam necessários testes e protocolos, como aqueles exigidos para novos medicamentos.

A questão agora é saber quanto tempo isso levará e quanto custará aos países sem capacidade de produção do medicamento, para atender aos seus milhares de doentes, como é o caso do Brasil.

Como ainda estamos em pleno combate dessa pandemia em nosso país, nunca é demais lembrar que o melhor “remédio” para controlar a expansão do novo coronavírus e, assim, evitar o colapso do nosso sistema de saúde, é o confinamento radical das pessoas.

Sejamos patriotas! Não vamos dar ouvidos ao psicopata genocida que responde momentaneamente pela Presidência da República do Brasil.

Fontes: https://www.youtube.com/watch?v=L8YDw3RSy7A

https://www.youtube.com/watch?v=qpl8FsPfchQ

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0166354220301145

https://www.youtube.com/watch?v=hu3_kQdwrxs&t=2495s

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247