Coisa de branco

"Os brasileiros já fizeram as maiores barbaridades com os negros. Meninas de 7 anos eram postas à venda em classificados de jornais do século XIX com a maior naturalidade e ausência de escrúpulos. E alguém as arrematava. E as revendia. Ou deixava de herança. Ou dava de garantia em empréstimo. Seus proprietários podiam fazer dos escravos o que quisessem, pois dispunham de seus corpos em qualquer lugar e a qualquer momento. Não se sabe quantos negros foram torturados ou assassinados por seus donos. Nem quantas negras jovens ou idosas, belas ou feias foram estupradas. Não há estatísticas", reflete o jornalista Alex Solnik em seu blog neste Dia da Consciência Negra

"Os brasileiros já fizeram as maiores barbaridades com os negros. Meninas de 7 anos eram postas à venda em classificados de jornais do século XIX com a maior naturalidade e ausência de escrúpulos. E alguém as arrematava. E as revendia. Ou deixava de herança. Ou dava de garantia em empréstimo. Seus proprietários podiam fazer dos escravos o que quisessem, pois dispunham de seus corpos em qualquer lugar e a qualquer momento. Não se sabe quantos negros foram torturados ou assassinados por seus donos. Nem quantas negras jovens ou idosas, belas ou feias foram estupradas. Não há estatísticas", reflete o jornalista Alex Solnik em seu blog neste Dia da Consciência Negra
"Os brasileiros já fizeram as maiores barbaridades com os negros. Meninas de 7 anos eram postas à venda em classificados de jornais do século XIX com a maior naturalidade e ausência de escrúpulos. E alguém as arrematava. E as revendia. Ou deixava de herança. Ou dava de garantia em empréstimo. Seus proprietários podiam fazer dos escravos o que quisessem, pois dispunham de seus corpos em qualquer lugar e a qualquer momento. Não se sabe quantos negros foram torturados ou assassinados por seus donos. Nem quantas negras jovens ou idosas, belas ou feias foram estupradas. Não há estatísticas", reflete o jornalista Alex Solnik em seu blog neste Dia da Consciência Negra (Foto: Alex Solnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Os brasileiros já fizeram as maiores barbaridades com os negros.

Meninas de 7 anos eram postas à venda em classificados de jornais do século XIX com a maior naturalidade e ausência de escrúpulos.

E alguém as arrematava. E as revendia. Ou deixava de herança. Ou dava de garantia em empréstimo.

Seus proprietários podiam fazer dos escravos o que quisessem, pois dispunham de seus corpos em qualquer lugar e a qualquer momento.

Não se sabe quantos negros foram torturados ou assassinados por seus donos.

Nem quantas negras jovens ou idosas, belas ou feias foram estupradas.

Não há estatísticas.

A abolição não foi o caminho para o paraíso, mas o começo do inferno.

Em vez de passarem a ser remunerados, o que seria o justo, os escravos tomaram um pontapé na bunda. Se era para pagar os grandes proprietários de terras queriam trabalhadores europeus.

Ex-escravos não tiveram nenhuma proteção do governo.

Foram morar onde pudessem. Da forma que conseguissem. Comer o que descolassem. Vestir o que lhes dessem. Subir morros, criar favelas. Não tinham formação para disputar os melhores empregos. Passaram à marginalidade.

E depois de passarem por todas as violências, violações e humilhações, ontem e hoje, alvos preferidos da polícia, e sobreviverem e ainda alegrarem o país com o samba, com a capoeira, com a dança, com o futebol e darem ao Brasil gênios como Machado de Assis, Di Cavalcanti, Pixinguinha, Grande Otelo e Pelé ainda têm que ouvir da boca de um representante daqueles que ajudaram a enriquecer que buzinar na rua "é coisa de preto".

Só podia ser coisa da elite branca.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247