Com PIB em queda, Paulo Guedes propõe mais do mesmo

"O governo de Bolsonaro e Paulo Guedes é, hoje, o maior obstáculo no caminho do desenvolvimento nacional, assim como da democracia, da soberania e do bem-estar social".

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters)


Estatísticas divulgadas nesta sexta-feira (19) pelo IBGE revelam que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro caiu 1,4% no primeiro trimestre do ano (janeiro a março). Em abril a situação se agravou, como sugerem os dados do instituto sobre a taxa de desemprego, que subiu para 12,6%, e a população ocupada, que recuou 5,4% (menos 4,9 milhões de pessoas), na maior queda da história.

Na opinião da coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, a retração foi causada, principalmente, pelo recuo de 1,6% nos serviços, setor que representa 74% do produto. A indústria declinou 1,4%, enquanto a agropecuária cresceu (0,6%). O consumo das famílias registrou recuo de 2%, o maior desde a crise de energia elétrica em 2001, segundo Rebeca.

Retrocedendo oito anos

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com isto, o PIB retrocede ao patamar verificado no segundo trimestre de 2012, ou seja, voltamos de onde tínhamos saído oito anos atrás. Mas o pior ainda está por vir, ao longo do ano a queda do valor agregado à produção nacional pode beirar os 10%, a julgar pelas estimativas de alguns economistas, e a taxa de desemprego aberto ultrapassar 20%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Culpa do coronavírus?

Não apenas. A economia já andava fraca antes da emergência da pandemia, com a produção praticamente estagnada, a taxa de desemprego acima de dois dígitos e 41% dos trabalhadores e trabalhadoras na informalidade, muitos deles auferindo rendas inferiores a um salário mínimo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este cenário social miserável se refletiu no fato de que mais de 100 milhões de cidadãos brasileiros se candidataram à renda emergencial de míseros R$ 600,00 aprovada pelo Congresso Nacional para amenizar os efeitos da crise agravada pela doença.

Golpe de 2016

A causa da anemia econômica já foi apontada por inúmeros observadores e economistas que acompanham a conjuntura com olhos críticos. Reside na política de restauração neoliberal imposta aos brasileiros desde o golpe de 2016.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao lado das reformas trabalhista e previdenciária, que subtraíram direitos e ampliaram a precarização do mercado de trabalho, os golpistas impingiram a Emenda Constitucional 95, que congelou os investimentos públicos por 20 anos.

Esses retrocessos, inaugurados no governo Temer e radicalizados por Bolsonaro, constituem as principais causas da estagnação da economia que desgraçadamente ocorreu de modo inusitado na sequência da severa recessão de 2015/2016. Não fosse o ajuste fiscal irracional e as reformas antissociais a recuperação econômica teria sido mais forte e efetiva.

Mas eis que diante do avanço devastador da crise o banqueiro Paulo Guedes, o ministro da Economia vassalo dos interesses dos seus pares, propõe mais do mesmo veneno. “A manutenção do teto de gastos constitui um pilar fundamental neste processo", afirmou o posto Ipiranga de Bolsonaro, para quem a crise abre a oportunidade "de implementar um conjunto amplo de reformas pró-mercado”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É o caminho do contrassenso, desmoralizado pelo coronavírus que a despeito dos ideólogos neoliberais mostrou que a intervenção do Estado é indispensável para fazer frente às crises sanitária e econômica. Uma agenda para perpetuar a estagnação econômica, as escandalosas desigualdades sociais e a miséria.

São fartas as evidências de que o governo de Bolsonaro e Paulo Guedes é, hoje, o maior obstáculo no caminho do desenvolvimento nacional, assim como da democracia, da soberania e do bem-estar social. Urge removê-lo para interromper a marcha célere da nação em direção à barbárie.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email