Comando do Exército escancara seu ativismo político

"Cabe às instituições e aos integrantes da sociedade civil denunciarem e investigarem o ativismo dos generais, assim como suas responsabilidades sobre o atual genocídio provocado pela gestão do governo que apoiam e integram", defende a historiadora Carla Teixeira

www.brasil247.com - General Eduardo Pazuello e o comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira
General Eduardo Pazuello e o comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado | Marcos Corrêa/PR)


Desde a fundação da República, o Exército brasileiro nos ofereceu sucessivas demonstrações do seu fisiológico ativismo político. O movimento tenentista, dos anos 1920 e 1930, pode ser encarado como o embrião do que seria o monstro parido com o golpe de 1964 e a ditadura militar assassina das décadas seguintes. Diante das inúmeras intromissões de militares na vida política do país, principalmente contra governos populares que buscavam a justiça social e a democratização da sociedade, podemos considerar que é ingenuidade (para não dizer má fé) esperar profissionalismo dos quadros militares (de)formados para enxergar a população e a esquerda como “inimigos”, atuando acima do bem e do mal para garantir os interesses da corporação.

Entre os postulantes, o general Eduardo Pazuello desponta para assumir a dianteira do ativismo político dos milicos para as eleições de 2022. Depois de mentir feito Pinóquio à CPI do Genocídio -  jogando na lata do lixo a dignidade e a ética militar que preconizam a “palavra de fé pública” baseada na verdade, honestidade, justiça e respeito -, o “gordo favorito” foi passear de moto com Bolsonaro para protagonizar mais uma “crise militar”. A novela, contada diariamente pelos jornais da grande imprensa que apoiaram a ditadura, narrava a história de uma cisão (inexistente) entre os integrantes do Comando do Exército, tendo Bolsonaro como vetor da divisão.

Convém ressaltar que Jair marmita de milico é rebento autêntico do Partido Militar e depende inteiramente do apoio dos quartéis para se manter no poder, e até mesmo evitar a própria prisão (provavelmente do restante de sua família, também) por todos os crimes cometidos, inclusive contra a vida e a saúde dos brasileiros. A narrativa de “crise” busca orientar que Bolsonaro está ferindo a instituição militar enquanto a situação é exatamente oposta: Bolsonaro sequer existiria na presidência da República sem o apoio dos Oficiais. Diante da política de morte e do retumbante fracasso do governo, os milicos tentam se distanciar evitando estar associados ao capitão através de “fakes crises”. Para isso, forjam o falastrão general Santos Cruz como postulante “oficial” verde oliva enquanto mantêm o capitão na condição de candidato “oficioso” caso os ventos eleitorais sigam soprando pra um segundo turno entre Lula e Bolsonaro, em 2022.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assim, as recentes manifestações políticas do general Pazuello indicam mais uma manobra diversionista dos comandantes para afastar a instituição do governo por ela própria criado e sustentado. Convocado para uma reunião com o comandante, general Paulo Sérgio, para receber comunicação da abertura de Processo Disciplinar pelos atos cometidos, Pazuello não compareceu por falta de tempo. É 1 colosso! Não há como acreditar que uma instituição que se baseia nos princípios de hierarquia, disciplina e obediência permita que um subalterno deixe de comparecer a uma reunião com superior. Seria cômico se não fosse ridículo que isso tenha sido notícia de insubordinação, principalmente quando os fatos mostram que o general Pazuello é o mais subordinado e condescendente de todos, ele mesmo disse: “um manda, o outro obedece”, ao encenar o lamentável papel de Adolf Eichmann tupiniquim e recusar a compra de vacinas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como recompensa por mentir e delinquir a favor do governo e do Exército, o general Pazuello passou a integrar a Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência, com salário de R$ 16.944, em cargo ligado diretamente ao presidente da República. Sobre o processo disciplinar dissimulado pelos comandantes para orientar nova “crise”, foi decidido pelo arquivamento. Como o regulamento indica que é vedado ao militar “manifestar-se publicamente sem que esteja autorizado a respeito de assuntos de natureza político-partidária”, a falta de punição por evidente ato político do general da ativa só pode indicar o óbvio ululante: o general Pazuello foi autorizado por superior a participar da manifestação depois de mentir à CPI do Genocídio, salvar Bolsonaro e os comandantes, com a garantia de que não seria punido pelo Comando do Exército e ganharia imunidade jurídica com nomeação feita pelo Palácio do Planalto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com cargos no governo, benefícios orçamentários, salariais e previdenciários, os Oficiais seguem ganhando enquanto o povo morre de fome ou da peste (ou dos dois). Cabe às instituições e aos integrantes da sociedade civil denunciarem e investigarem o ativismo dos generais, assim como suas responsabilidades sobre o atual genocídio provocado pela gestão do governo que apoiam e integram. É preciso trabalhar a formação da consciência da população sobre a necessidade de um projeto de Defesa que proteja o Brasil e os brasileiros das ameaças externas, profissionalize as forças armadas e, por fim, extinga o Partido Militar que serve apenas para provocar crises, ameaçar a sociedade e a democracia, e manter a cadela do fascismo sempre no cio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email