Como as democracias se suicidam

"Recolhendo plataformas e renunciando a princípios, os partidos perderam identidade e submergiram na geleia geral cuja característica é a desmoralização do espectro ideológico: de noite todos os gatos são pardos", diz o cientista político Roberto Amaral; "O centro foi absorvido pela direita e a esquerda colhe hoje os frutos da descrença das massas na política e ainda está por avaliar sua contribuição para esse processo"

(Foto: Marcos Correa/PR)

Um tema que fica para os psicanalistas da alma social: explicar a transição do amor ao ódio político

Sobre ser um belo e bem realizado documentário, “Democracia em Vertigem” é instigante ensaio sobre o processo político contemporâneo e nos sugere algumas reflexões a propósito dos caminhos e descaminhos da democracia brasileira, sempre forcejando por conquistar espaço e pouso em nossa história de país, nação e Estado (assim nessa ordem) autoritários.

Pois democracia, entre nós, mesmo se nos ativermos aos valores do Iluminismo, não passa de um sonho que os mais otimistas vão transmitindo geração por geração…

Planta rara e frágil em terreno hostil, ela medra por algum tempo para ser logo descartada sempre que assim o exijam os interesses da casa grande.

Esse descarte se opera sob as mais diversas formas, desde os golpes de Estado clássicos que ilustram a vida republicana – sempre com a caserna na primeira fila -, seja, como agora, mediante um processo razoavelmente longo que, começando em 2013, culminaria com a eleição de Bolsonaro em 2018, caminho lavrado para a instalação do atual regime, inominado, mas de irrecusável caráter autoritário e decisiva presença militar.

Um estranho regime populista de extrema-direita e vinculação militar que renega a até aqui saudada tradição nacionalista das Forças Armadas, a defesa do Estado nacional (compreendendo suas riquezas) e do desenvolvimento, tradição, portanto, incompatível com o governo a que emprestam solidariedade.

Outra questão trazida pelo documentário é a análise ao que – concordemos ou não – identifica como fracasso político do lulismo e das estratégias das esquerdas de um modo geral, “surdas e cegas” para identificar as modificações que, a um palmo abaixo do nível do mar, se processavam no tecido social.

Petra Costa, a diretora de “Derrapada…”, procura explicações para o fato de as popularidades de Lula e Dilma, o primeiro deixando o governo com mais de 80% de aprovação e a ex-presidente contemplada, no governo, com mais de 70% de apoio popular, após uma dura reeleição, se transformarem, com o PT, em focos do ódio das grandes massas que das ruas caminharam para as urnas elegendo um presidente cuja plataforma agredia tudo o que até então se conhecia como os valores centrais do povo e da sociedade brasileira.

Um tema que fica para os psicanalistas da alma social: explicar a transição do amor ao ódio político.

O tema é velho como a Sé de Braga, e persegue os partidos de esquerda (e os sindicatos) no governo, quando sem linha clara sobre seu novo papel: a diferença entre partido no governo e partido do governo.

Gilberto Carvalho, um observador-ator lúcido – foi dos primeiros a não negligenciar as primeiras manifestações hostis das grandes massas – lembra, ainda no documentário de Petra, que seu partido (o PT) esqueceu a regra dos ‘dois pés’ que assim define: um pé na sociedade (‘pois no capitalismo os avanços se dão na luta social’) e um pé na institucionalidade, para avançar por dentro, na medida do possível.

E arremata: o PT tirou o pé da sociedade e fincou os dois na institucionalidade e aí aceitou o jogo que condenava e fez as alianças com as oligarquias conservadoras que abjurava como responsáveis pelo nosso atraso.

Fez mais, é preciso acrescentar, ensarilhou programas, conteve a vida sindical e o movimento social.

Por erros próprios, os sindicatos perderam a capacidade de organizar e mobilizar os trabalhadores, e os partidos entraram em grave crise de representatividade.

Recolhendo plataformas e renunciando a princípios, os partidos perderam identidade e submergiram na geleia geral cuja característica é a desmoralização do espectro ideológico: de noite todos os gatos são pardos.

O centro foi absorvido pela direita e a esquerda colhe hoje os frutos da descrença das massas na política e ainda está por avaliar sua contribuição para esse processo.

Petra não entende porque ninguém (diz ela) percebeu as mudanças então em curso; ela mesmo reclama da surdez e da cegueira que não lhe permitiram antever a emergência da direita.

Dilma, em depoimento, lamenta não haver o PT compreendido o significado da eleição de Eduardo Cunha e as mudanças políticas que, na sua opinião, se operaram mais profundamente a partir de 2014.

O fato objetivo é que as forças populares, antes da queda do governo, já haviam perdido a liderança do processo político.

Lula, num quarto de hotel em Brasília, é quase patético diante da falta de apoio parlamentar ao não impeachment. Dilma é contundente quando declara: “Eu não governei em 2015”!, título, subtítulo e texto da crônica de um fracasso que, embora antevisto, não pôde ser evitado, como as tragédias gregas.

No presidencialismo de coalizão um presidente sem maioria perde condições de governar.

Acossado entre o desamparo das massas e a hostilidade do Congresso, o governo não tem futuro: a aliança conservadora – o trunfo da governabilidade de Lula – estava perdida e as forças populares não tinham mais capacidade de mobilização em defesa de seu governo.

Encerrava-se, com Dilma, um longo ciclo de 13 anos de governo de centro-esquerda, sucedido por um outro, que o nega, porque pretende ser o seu contrário. Inicia-se – repito: inicia-se, está em seus primeiros momentos – o primeiro ciclo populista de extrema direita oriundo do processo eleitoral.

Um ciclo que, mais do que suceder ao anterior, diz-se ser sua consequência.

Nas Forças Armadas o capitão, candidato dos militares, constrói sua própria base e ela tende a autonomizar-se, articulada nos quartéis como um ‘partido’. A essa base alia-se sua ainda alta capacidade de mobilização popular, a que não falta o apoio do pentecostalismo fundamentalista, como se viu recentemente em São Paulo com a Marcha para Jesus. No fundo, o ‘mercado’, à espera das privatizações e da ‘reforma’ da Previdência. A uni-los a necessidade de afastar o petismo do poder.

Quase ao fim de seu belo documentário, Petra nos traz talvez o mais didático dos depoimentos, com a fala de uma mulher do povo, uma trabalhadora anônima, uma das muitas encarregadas da difícil limpeza das entranhas dos Olimpos.

Ela começa lamentando que seu ofício nas escadarias e os mármores do Palácio da Alvorada, já sem os seus inquilinos, não pudesse ser aplicado na política brasileira (‘pois tudo limparia’), e, depois de admitir a responsabilidade de Dilma (“ela fez por merecer”), afirma que ‘uma nova eleição seria melhor’, que o impeachment não fôra uma escolha do povo, que o processo (não usa essa palavra) não foi democrático, e, falando numa sequência sem interrupções, termina por admitir que não existe democracia no país.

Fica a questão.

*Pergunta que não pode calar: quem mandou matar Marielle?

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247