Considerações em meio à guerra

"Os xingamentos e ofensas de Bolsonaro e do general Mourão aos militantes antifascistas e a possível convocação da Força Nacional para reprimir as mobilizações revelam o temor de que a rua seja o fator decisivo para a queda do governo"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Bepe Damasco

1- Vivemos a maior tragédia sanitária dos últimos 100 anos. Por isso, é respeitável a posição de não ir para as ruas protestar contra o fascismo, devido à ameaça da ampliação da disseminação do coronavírus. Só que igualmente merecem respeito os que se dispõem a pôr a saúde em risco para enfrentar situacões-limite, tal qual ocorre em dimensão histórica nos EUA. No Brasil, é a democracia que está por um fio.

2- Considero, portanto, o suprassumo da omissão e do recuo o argumento segundo o qual os atos antifascistas marcados para o próximo domingo devem ser evitados, pois a infiltração de baderneiros de extrema direita dará pretexto a Bolsonaro para um golpe de estado. O interessante é que os defensores dessa proposta não sugerem absolutamente nada como alternativa às manifestações, a não ser assinar manifestos.

3- Como diz o deputado federal Glauber Braga, essa tese imputa de forma absurda a responsabilidade de uma eventual ruptura democrática aos manifestantes e não ao capitão nazista. Como se o não comparecimento das pessoas tivesse o condão de frear os impulsos golpistas de Bolsonaro.

4- A nota do PT de apoio aos protestos pacíficos antifascistas destaca com propriedade que a prática da democracia não pode ser intimidada por Bolsonaro. O artigo 5° da Constituição assegura o direito à livre manifestação.

5- Os xingamentos e ofensas de Bolsonaro e do general Mourão aos militantes antifascistas e a possível convocação da Força  Nacional para reprimir as mobilizações revelam o temor de que a rua seja o fator decisivo para a  queda do governo. Ou seja, acusaram o golpe. De quebra, as agressões verbais colocaram mais lenha na fogueira dos atos.  

6- Chama atenção a forma prudente, responsável e equilibrada com a qual os organizadores do ato no Rio vêm se conduzindo. As correntes antifascistas das torcidas dos grandes clubes não só mudaram o local do evento, para evitar o encontro com o gado bolsonarista, como estão orientando fortemente contra a ação de provocadores, recomendando que todas as medidas de proteção à saúde sejam adotadas e apelando para que os integrantes do grupo de risco não marquem presença no protesto.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247