Construir nas ruas e de casa em casa a derrota do Bolsonaro e do fascismo

É nas ruas; é no território concreto de vida e trabalho do povo brasileiro, que derrotaremos Bolsonaro, o governo militar e o fascismo

www.brasil247.com -
(Foto: Ricardo Stuckert / Divulgação)


Jeferson Miola, para o 247

A eleição deste ano será a mais importante eleição das nossas vidas e da história do Brasil.

Nela decidiremos o destino do país, que se encontra numa encruzilhada entre, de um lado, a democracia, a humanidade, a civilização; e, de outro, a barbárie, o charlatanismo, o ultraliberalismo, o fascismo.

Bolsonaro e os generais jogam a vida nesta eleição. Está em jogo a continuidade ou a interrupção do projeto de poder de longo prazo que acalentam e que oportuniza o mais brutal processo de saqueio e pilhagem das riquezas do país pelos capitais nacionais e internacionais.

Eles sabem que, se conseguirem derrotar Lula por meio de esquemas gigantescos de fraudes, intimidações, ameaças, mentiras e corrupção eleitoral, pavimentam o caminho rumo a um regime antidemocrático extremista e duradouro. Mas eles também sabem que, na hipótese bastante realista de derrota eleitoral, no futuro imediato deverão estar sentados nos bancos de réus de tribunais nacionais e internacionais.

Em razão disso, portanto, e do desespero desses potenciais perdedores, a eleição de outubro deverá ser a mais sangrenta e fascistizada eleição da história do Brasil. Bolsonaro, as cúpulas partidarizadas das Forças Armadas e a extrema-direita empregarão os piores meios de combate e guerra – os mais sujos e os mais infames.

Nunca, em nenhuma eleição anterior, um candidato presidencial ficou exposto ao risco máximo de sofrer atentado terrorista, como a Polícia Federal classifica o grau de risco a que o ex-presidente Lula está exposto.

O gangsterismo bolsonarista já não se restringe ao submundo das redes sociais, onde opera com seus exércitos de robôs e maquinarias de mentiras, difamação e propagação de ódio, violência e intolerância.

A extrema-direita fascista também atua com idêntica ousadia e vilania fora do esgoto das redes sociais; e se encoraja ainda mais, quando conta com impunidade e cumplicidade institucional.

O assassinato do petista Marcelo Arruda pelo terrorista bolsonarista Jorge Guaranho, em 9 de julho, que foi precedido pelo atentado a bomba ao comício do Lula no Rio 48 horas antes, em 7 de julho, é uma amostra deste clima de terror político instalado no país pelo governo militar e seus apoiadores.

A derrota do Bolsonaro, do fascismo e dos militares somente será possível com uma resistência democrática e popular vigorosa e ativa. Uma resistência democrática-popular que consiga sensibilizar, politizar e organizar amplos setores populares, o povo pobre, a classe trabalhadora, os negros, as juventudes e as mulheres – enfim, as maiorias sociais do Brasil.

Os atos de 11 de agosto em defesa da democracia evidenciaram o descolamento de setores do bloco dominante do governo e aumentaram o isolamento e a ilegitimidade do Bolsonaro. É preciso, entretanto, entender que esta oportuna iniciativa não conseguirá, sozinha, dar conta da tarefa vital de derrotar politicamente, socialmente, culturalmente e eleitoralmente o governo militar e o fascismo.

A possibilidade de se deter o fascismo e salvar o pouco que ainda resta de democracia no Brasil se localiza em lugares nem tão distantes do pátio da USP e da sede da FIESP.

É nas periferias, nas favelas e vilas do país; é nas ruas, nos terminais de ônibus e de metrô; nas universidades, nas escolas, nas fábricas, nos comércios, nos postos de saúde, nos locais de trabalho que se encontram as maiorias sociais que precisam ser despertadas e ativadas para cumprir esta missão histórica decisiva.

É preciso, portanto, combinar o aperfeiçoamento das estratégias comunicacionais nas redes sociais com a ocupação política e cultural do território real e cotidiano onde as maiorias sociais padecem do desastre e da devastação causada pelo governo.

É fundamental, neste sentido, se realizar um trabalho molecular; palmilhar cada rua, cada beco, cada bairro, cada distrito, cada cidade de todo país para se levar a arma da palavra, do convencimento, do esclarecimento, da construção da consciência democrática e antifascista.

O charlatanismo que manipula os desamparados, falseia o cristianismo e promove o ódio, está profundamente entranhado nas periferias. Nas suas igrejas, cultos e práticas assistencialistas, atua como força ideológica auxiliar do fascismo. É ali, portanto, nas periferias influenciadas pela manipulação reacionária, que se requer a presença intensiva para se fazer o contraponto.

A partir do prazo legal, até 2 de outubro viveremos os 47 dias mais decisivos e mais urgentes das nossas vidas. Nestes intensos e decisivos 47 dias cada ativista, militante e cidadão está chamado a dedicar suas melhores energias e paixões para eleger Lula já no primeiro turno.

O resultado do que conseguiremos concretizar nestes próximos 47 dias não define apenas a possibilidade de elegermos um governo de salvação nacional para os próximos quatro anos, porque define o que será do Brasil nas próximas décadas.

A vitória de Gabriel Boric no Chile contra o fascista José Antonio Kast, a versão chilena de Bolsonaro, foi conquistada numa memorável campanha que combinou a intensificação do trabalho nas redes sociais com a estratégia de visitar um milhão de casas por Boric Presidente. Em três semanas, mais de 25% da população tomou contato direto com a mensagem da campanha frenteamplista, fator que foi decisivo para a virada e a vitória de Boric.

Este método de enraizamento social, sindical e comunitário, aliás, está na origem da trajetória exitosa de construção do Partido dos Trabalhadores nos anos 1980 e 1990, e preserva sua absoluta atualidade e valor nesta complexa conjuntura.

É nas ruas; é no território concreto de vida e trabalho do povo brasileiro e com acessos ao maior número de lares para instalar comitês populares Lula Presidente, que derrotaremos Bolsonaro, o governo militar e o fascismo.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email