Contando os dias na parede

"Podemos esperar de tudo nesses um pouco mais de duzentos e setenta dias para o primeiro turno das eleições", escreve Ricardo Mezavila

www.brasil247.com -
(Foto: REUTERS/Adriano Machado)


O governo Bolsonaro se esforçou e produziu o desemprego, a inflação, a pobreza e a fome. Aproveitou a pandemia para dar vazão aos seus instintos de crueldade e, deliberadamente, colaborou para que centenas de milhares de brasileiros partissem precocemente. 

Seus três anos de mandato foram pífios e voltados para o entreguismo de nossas riquezas, o esvaziamento das indústrias e do comércio, retiradas de direitos sociais, aparelhamento e militarização da justiça e das polícias, abandono dos incentivos à cultura, ciência e tecnologia. 

Dizem que, desde o início de seu governo, Bolsonaro não parou de fazer campanha, que não desceu do palanque. Acredito que o infeliz cidadão age como o velho deputado do baixo clero, catador de ‘chequinhos’ corporativos, miliciano e barão das rachadinhas. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em seu último ano, depois de enterrar o Brasil diante do mundo e de passar todas as vergonhas inimagináveis para um chefe de estado, Bolsonaro apostará todas as suas fichas no ‘caso Adélio’.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Adélio foi o ator que interpretou o assassino trapalhão no episódio ocorrido em Juiz de Fora durante campanha para as eleições de 2018. Sem um arranhão, após tentativa de esfaquear o candidato cercado por seguranças, vive incomunicável em prisão incerta, sendo preparado para retornar no final da temporada para, mais uma vez, sensibilizar tia Célia. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mesmo tendo a tarefa quase impossível de reverter 60% de rejeição em nove meses, não podemos relaxar diante da máquina administrativa que financia notícias falsas, que conta com um núcleo duro na faixa de 20% do eleitorado, que mantém uma rede de jornalistas conspiradores, como Fernando Gabeira, palpitando todos os dias na mídia golpista. 

2021 terminou com o presidente ‘cagando e andando’ para as enchentes na Bahia. 2022 começou com o presidente sem poder, literalmente, cagar e andar. Podemos esperar de tudo nesses um pouco mais de duzentos e setenta dias para o primeiro turno das eleições. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email