Conversa solta sobre 2022

www.brasil247.com - Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Ricardo Stuckert)


1) A reação da sociedade democrática e a mobilização popular serão fundamentais para garantir que haja eleição em 2022, que o resultado seja respeitado e que os eleitos tomem posse.

2) O favoritismo de Lula é incontestável, mas o déficit de convicção democrática da elite brasileira e o jogo sujo ao qual recorre com frequência devem manter aceso o sinal amarelo na esquerda. A manifestação explicitamente golpista de um economista do banco Santander pode ser só a ponta do iceberg.

3) A escalada golpista de Bolsonaro, seja mirando as urnas eletrônicas, os ministros do STF ou os freios e contrapesos próprios da ordem democrática, é inversamente proporcional ao resultado das pesquisas, tanto as feitas pelos institutos mais conhecidos como as internas encomendadas pelo próprio governo. Bolsonaro, mais do que ninguém, sabe que no voto a eleição está perdida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4) Exagero, dirão alguns. Mas, com 25% de aprovação e em queda não há como vencer uma eleição em dois turnos. Para a desgraça do capitão nazista, o fantasma não é só Lula. Nas simulações de segundo turno, ele perde para todos os outros postulantes, apanhando também de Ciro, Dória e Mandetta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

5) Chegamos, então, aos possíveis trunfos que qualquer dono de caneta presidencial dispõe. Longe de subestimar o poder de fogo do cargo para alavancar a popularidade através de medidas de impacto, vejo a natureza e o caráter do governo Bolsonaro como sérios obstáculos para concretização deste objetivo. O nó da questão é o compromisso de Guedes/Bolsonaro com o ultraneoliberalismo mais tosco e sua política fiscal restritiva bem ao gosto do capital financeiro. Cruzar essa fronteira significaria para Bolsonaro perder em definitivo o apoio dos donos do dinheiro.

6) Por certo, a economia vai crescer nos próximos meses, uma vez que parte de um patamar de terra arrasada, de fundo de poço. Aliás, isso já vem acontecendo há alguns meses. O problema é que a política econômica em vigor impede que o aumento quantitativo do PIB se reflita na melhoria dos padrões de vida das pessoas. Ao contrário, com as taxas de investimento público e privado mais baixas da história, sem qualquer política de geração de emprego e renda, o Brasil hoje, além de bater recordes de desemprego, exibe uma população de 40 milhões de trabalhadores precarizados e desalentados. A carestia dos gêneros alimentícios faz a fome se disseminar. Gasolina e gás de cozinha viraram objetos de luxo. Resumo da ópera: nada indica que o crescimento do PIB chegará na ponta e abrandará  o sofrimento do povo. E a nova roupagem do programa Bolsa Família, com um pequeno aumento do benefício e rebatizado como Auxílio Brasil, terá o condão de mudar essa realidade? É pouco provável. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

7) Não acredito que os grupos de mídia e parte importante dos capitalistas nativos sejam incapazes de construir uma candidatura presidencial, a tal terceira via, minimamente competitiva. Aconteceu em 2018? Sim, mas o fenômeno da ascensão avassaladora do fascismo pegou de surpresa a direita tradicional. Se ganhar musculatura, o candidato da terceira via, embora não seja capaz de  ameaçar a liderança de Lula, pode vir a incomodar  Bolsonaro e travar com ele uma disputa acirrada pela vaga no segundo turno. Ciro Gomes também pode aparecer nesta briga. Hoje, faltando um ano e dois meses para a eleição, a impressão que se tem é que Bolsonaro chegará ao segundo turno. Mas a erosão de seu governo e de sua imagem indica que isso não será propriamente um passeio no parque.

8) Tampouco creio que a esquerda vença eleição presidencial no Brasil  no primeiro turno, algo que nem Lula no auge da popularidade e do prestígio conseguiu. Excetuando-se 2002 e 2014, quando as pesquisas não sugeriam as vitórias de Lula e Dilma no primeiro turno, em 2006 e 2010, os candidatos petistas obtinham nos levantamentos intenções de voto capazes de assegurar a vitória já no primeiro turno. Isso até a semana anterior à primeira rodada. Contudo, na reta final, a mídia e a direita pegaram pesado e garantiram a realização do segundo turno. Existe direita no Brasil. Ela é poderosa e, em geral, desprovida de escrúpulos.

9) Hoje o antibolsonarismo é mais forte do que o antipetismo. E Lula como candidato enfraquece ainda mais a aversão de alguns segmentos da sociedade ao PT, especialmente nas classes média e alta. Não são poucos os eleitores que não votam no PT, mas apoiam Lula. Vejo como frágil, portanto, o argumento de que o antipetismo pode ser fatal para Lula. Se em 2018, no auge do antipetismo, o candidato do PT, Fernando Haddad, só foi derrotado devido à farsa da facada e às fake news criminosas da campanha de Bolsonaro, imagina agora.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

10) Não vale nem a pena perder tempo com elucubrações sobre a possibilidade de uma chapa de unidade da oposição ao bolsonarismo ainda no primeiro turno. Na vida como ela é, isso é impossível. União só no segundo turno. A menos que surjam pontos completamente fora da curva até lá, tudo leva a crer que teremos uma chapa encabeçada por Lula, com o apoio do PCdoB, do PSOL e, possivelmente, do PSB, tendo como adversários Bolsonaro, Ciro e, provavelmente, Dória como representante da terceira via. Mas não será surpresa se o campo conservador apresentar mais de uma candidatura. O ex-ministro Mandetta, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, estão no páreo.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email