Cortesia petista

Se prevalecer os interesses dessa triste coligação de pequenos interesses, esses partidos terão agravado a derrota da esquerda em Pernambuco, com sua traição. E haja bla-bla sobre a excelência das alianças espúrias de classe, em troca de cargos e mandatos

No último sábado de junho, o portal  eletrônico de notícias brasil247 promoveu um grande encontro de seus assinantes  do norte- nordeste, no Centro de Convenções de Pernambuco . Foram convidados jornalistas da mídia alternativa, professores e políticos do PT e do PSOL. O responsável pelo portal (o jornalista Leonardo  Attuch) declarou que o objetivo  da reunião seria ampliar o número de assinantes do portal e, é  claro, a audiência do 247. A estrela nacional do encontro foi o ex-ministro Aloísio Mercadante, que aliás  encerrou o evento. As estrelas regionais  foram:  Marília Arraes, Humberto Costa e Luciana Santos.  

Não deixa de chamar a atenção  o fato desses últimos três  terem sido convidados. Encontro  indigesto, mas em horário  distinto. Dizemos isto porque  foram os principais personagens  do "IMBROGLIO" em que se meteu parte da esquerda pernambucana, nas últimas eleições.E, tocamos no assunto, por conta das próximas  eleições.  Os nossos partidos  mais à esquerda  padecem cronicamente da ilusão  de que se se aliarem com as oligarquias políticas regionais, podem viabilizar  maus facilmente os seus projetos políticos.

Mas, historicamente, vem ocorrendo  o contrário: as oligarquias é  quem se servem desses partidos para obterem o selo de legitimidade  necessária , perante uma opinião pública  acostumada a ver a troca súbita de lados, sem muita explicação. Entre nós  é  assim o que vem acontecendo , no cenário das disputas políticas de Pernambuco. 

A nefasta e duradoura aliança política entre o Partido Comunista do Brasil e a oligarquia remanescente da família Campos/Arraes, representada por um dos principais réus  do processo fraudulento da Arena Pernambuco (conforme farta documentação  apresentada em recente tese de doutorado em Direito). Aliança feita em troca de cargos e mandatos parlamentares. Somou-se a este acordo, o Partido dos Trabalhadores. E em pagamento, foi oferecida a cabeça  da pré-candidata  ao governo do estado, Marília Arraes.  

Recorde -se que a decisão sobre esta nefasta aliança partiu de cima, dos corifeus do partido dos trabalhadores, como  já tinha ocorrido com a tentativa reeleição  de João da Costa a Prefeitura do Recife.  Processo onde as digitais de Humberto Costa estavam bem impressas. É  de se esperar que tal manobra se repita outra vez, com a eleição  municipal do Recife, no próximo ano. Mais uma vez, interesses partidários  e projetos pessoais  atropelam  a legítima discussão interna dos partidos  de lançarem  uma candidatura viável a Prefeitura, concorrendo  com o nome ungido  pela oligarquia estadual, seja o de Felipe Carreiras, do filho do falecido ou do deputado-primo Tadeu Alencar. 

Se prevalecer os interesses dessa triste  coligação de pequenos interesses, esses partidos terão  agravado a derrota da esquerda  em Pernambuco, com sua traição. E haja bla-bla  sobre a excelência das alianças espúrias de classe, em troca de cargos e mandatos.                

Este debate o encontro  do Brasil 247 ficou nos devendo, no clima de festa e euforia reinante neste  evento.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247