Covas Neto é rancoroso, distorce realidades e se contrapõe a Alckmin e Lula

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


O tucano Mário Covas Neto, filho do ex-senador e ex-governador Mário Covas, que agia e atuava no campo da esquerda quando combatia a ditadura militar, assim como era um dos principais políticos da esquerda do PSDB, que aos poucos foi em direção do centro ideológico antes de morrer em março de 2001.

Para quem não sabe ou esqueceu por conveniência política ou pessoal, o ex-governador Mário Covas, o pai do que está a falar contra a candidatura a vice-presidente de Geraldo Alckmin, ao afirmar que ele ficará com a marca de "rancoroso", na verdade, pelo seu passado de lutas, talvez não concordasse com seu filho, que sempre militou à direita do espectro político e ideológico, apesar de seu pai ter uma carreira exatamente ao contrário do que o filho de Mário Covas pensa e apregoa.

E como Mário Covas Neto sabe disso, porque ninguém está na vida para bancar o ingênuo ou inocente, ainda mais no que diz respeito à realidade dura, muitas vezes traiçoeira, surpreendente e estressante do mundo político. A verdade é que o PSDB paulista foi engolido pelo grupo do político ultraliberal, privatista, hipocritamente punitivista e radical nas relações políticas e sociais, que tem o como sua liderança principal o atual governador tucano, João Dória, cuja radicalidade à direita é muito parecida com a do fascista Jair Bolsonaro.

Dória traiu acordos pessoais, políticos e partidários dentro do PSDB e fez com que os tucanos históricos, que também traíram seus passados de lutas, saíssem do partido, bem como os que ficaram aparentemente silenciaram ou foram cuidas de suas vidas políticas e interesses pessoais, sendo que Mário Covas Neto também foi praticamente expurgado do PSDB, porque não tinha mais como permanecer na companhia do direitista extremado João Dória, um político totalmente alinhado com o que há de pior no mundo empresarial brasileiro, além de ser testa de ferro dos interesses dos banqueiros.

Mário Covas Neto é filiado ao Podemos, que, ao que parece, não pode nada quando se trata de combater os devaneios apopléticos e ultraliberais de João Dória em todos os setores da vida pública, a prejudicar profundamente os servidores públicos e a população em geral de São Paulo, pois se João Dória vive a se bicar politicamente com o fascista Bolsonaro, torna-se necessário também destacar que o governador paulista apoia, literalmente, as políticas econômicas de exploração dos trabalhadores e de entrega irresponsável do patrimônio público, em um processo criminoso de pirataria contra o próprio País efetivado pelo ministro ultraliberal da Economia, o chicago boy Paulo Guedes, que canta loas e boas ao ditador chileno e sanguinário Augusto Pinochet, a quem ele serviu quando um economista mais jovem.

A verdade é que Mário Covas Neto faz o jogo da direita por ele ser de direita, o que é compreensível, mas aberta à censura sua afirmação de má-fé intelectual, quando considera que Geraldo Alckmin não deveria ser candidato em parceria com o Lula, simplesmente porque Mário Covas Neto é de direita e compõem com os interesses políticos e empresariais da direita, principalmente a paulista e paulistana.

O filho de Mário Covas desconsidera a situação calamitosa e deplorável pela qual passa o Brasil e tudo o que seu povo está a enfrentar sem ter direito até a empregos, para ver se consegue pôr um pedaço de carne, arroz e feijão na mesa para seus filhos. Essa gente da burguesia sabe tudo o que acontece no Brasil, mas não se importa e quer que a bomba exploda, sempre de preferência para os mais pobres. Ponto.

Os questionamentos de Mário Covas Neto contra a candidatura Alckmin em parceria com o Lula e o PT são frágeis, superficiais, plenos de má-fé intelectual e preconceitos embutidos em sua "rancorosa" fala.

Sim, rancorosa, pois até grifei com aspas esta palavra no parágrafo acima. Senão, vejamos: Mário Covas Neto apoia o ex-juiz parcial, injusto e suspeito, assim considerado pelo STF e por grande parte do povo brasileiro, como um magistrado "ladrão", que, inclusive, negociou com o fascista Jair Bolsonaro um cargo no Ministério da Justiça, o que aconteceu, bem como o tal ex-juiz, cujo apelido é Marreco de Maringá, assumiu sem o mínimo de vergonha na cara o cargo de ministro da Justiça, com a intenção e a "promessa" de ser em futuro breve ministro do Supremo.

Essa é a verdade, mas Moro, o juiz que segundo o Dieese extinguiu 4.4 milhões de empregos e quebrou as indústrias naval e de engenharia pesada do País, não satisfeito ainda foi trabalhar por uma empresa nos EUA que toma conta do que sobrou, ou seja, da recuperação falimentar de uma das maiores construtoras do mundo e a maior do Brasil cujo nome é Odebrecht.

Ao invés de se combater e prender quem comete corrupção, no Brasil quebraram grandes empresas de inúmeros setores e segmentos, de forma que causou enorme desemprego e ainda ferrou com a cadeia de produtiva do mercado interno, porque quando uma grande empresa vai à falência, evidentemente que milhares de pequenas e médias empresas também quebrem.

Esta é a Justiça e o Ministério Público brasileiros ocupados por juízes e procuradores acostumados a gabinetes, mas sem nenhuma noção sobre questões políticas e partidárias e total desconhecimento de economia, sendo que obviamente muitos desses servidores togados irresponsáveis e analfabetos políticos, além de perversos ideologicamente, trabalharam pela bancarrota econômica e para a crise política sem precedentes na história do País, principalmente após a redemocratização.

E aí vem o senhor Mário Covas Neto com essa ladainha de "me poupe, por favor" ou "conversa para boi dormir" ao afirmar em artigo no Poder360 que Geraldo Alckmin, além de ficar com a "marca de rancoroso", algo inacreditável pela superficialidade das palavras, ainda disse que somente Lula seria beneficiado e, com efeito, deixaria de ser visto como "radical".

Não sei se se trata de má-fé intelectual por parte do filho de Mário Covas ou se é realmente um momento ruim de idiotia, pois, francamente, trata-se de uma coalizão de um partido social democrata que é o PT com grupos mais conservadores da política brasileira, afinal no Brasil vivenciamos desde sempre o presidencialismo de coalizão, desde os tempos imemoriais da República Velha e do estadista gaúcho e trabalhista Getúlio Vargas.    

O que o Mário Covas Neto tem na cabeça? Alguém me responda, porque eu não sei! Lula radical? É isso mesmo que tal sujeito falou? Então Mário Covas Neto jamais poderia ser contratado como analista político, pois, francamente, ele quer dizer que a radicalidade de Lula seria amenizada quando até os recém-nascidos, os burros, os idiotas, os que estão em coma a 200 anos, os extraterrestres e até mesmo os radicais sabem que o Lula não é um cidadão radical.

Pelo contrário, radical foi quem deu um golpe de direita em 2016, que o Mário Covas Neto e o PSDB apoiaram, assim como o golpista-mor é tucano, que atende pela alcunha de Aécio Neves. Este sim, um radical, que levou o País a um golpe de estado de conotação bananeira e terceiro-mundista, a cara da "elite" brasileira de história escravocrata, a que Mário Covas Neto e seus pares representam, sem qualquer vergonha e constrangimento moral e de consciência, pois sempre foi o que lhes falta.

A verdade é uma só: Mário Covas Neto mente e tergiversa para o seu público, porque ninguém fora do grupo dele, mesmo os políticos de outros partidos de direita, acredita em suas palavras ladinas, distorcidas sobre as realidades e que tem por finalidade causar confusão aos eleitores e prejudicar uma possível chapa Lula/Alckmin.

Lula é um político de diálogo. Sempre o foi, mesmo quando era visto como "radical" em seus tempos de sindicato. Sempre dialogou com todas as classes sociais, grupos minoritários e com representantes de inúmeros ofícios e profissões. Recebeu todo mundo no poder e falou com todo mundo, da direita à esquerda, com ricos e pobres, com opressores e oprimidos. Lula sempre foi assim, mas o Mário Covas Neto que já é um homem de certa idade e cabelos brancos vem com essa ladainha mentirosa e provida de má-fé intelectual para simplesmente dar um pontapé na cara da verdade.

Radicais são os golpistas, o grupo de Mário Covas Neto, o desgoverno fascista e ultraliberal de Jair Bolsonaro, a Fiesp, as associações de ruralistas armados, os banqueiros, os privatistas e os políticos como Mário Covas Neto que ferram sem dó e compaixão com os trabalhadores, estudantes, donas de casa e aposentados, quando apoiam e efetivam a retirada criminosa e bárbara de direitos assegurados pelas leis que foram perversamente rasgadas ou modificadas para pior — muito pior.

Covas Neto é do Podemos. Além disso, o filho de Mário Covas está "preocupado" com a possível candidatura de Márcio França, do PSB, ao governo de São Paulo, porque ele ficaria livre da concorrência de Alckmin e Fernando Haddad, do PT. Impressionante, não é, cara pálida?! Só que Haddad poderá vir como candidato em uma chapa forte e competitiva, fator este que Mário Covas Neto não ponderou.

A verdade é que os diversos grupos de direita que deram um golpe de estado desastroso e criminoso, além de terem interditado a candidatura Lula em 2018, rasgado a Constituição e mandar a democracia e o estado de direito às favas, esse tipo de gente ainda tem a capacidade de mentir e tentar enganar como se não houvesse amanhã.

Os golpistas e usurpadores do poder e da sociedade acabaram com o Brasil como Nação em busca de seu desenvolvimento e soberania, desmoralizaram o País em âmbito mundial, bem como destruíram a economia brasileira e seu forte mercado interno, maior responsável pela demanda de empregos.

Esse é o tipo de gente que escreve na grande imprensa golpista, familiar e de mercado, bem como em sites e portais poderosos da internet, a fazer elucubrações irresponsáveis e mentirosas, que não condizem com a verdade e a realidade dos fatos. A chapa Lula/Alckmin incomoda muito a burguesia e as classes médias escravocratas, como também os "rancores" pertencem a Mário Covas Neto, ao seu grupo de aliados e ao Podemos, à direita e à extrema direita em geral. 

Radical é quem dá golpe de estado, retira direitos do povo, entrega o País, desemprega em massa e rasga a Constituição. Lula não fez e não faz isso, pois não é radical, mas tem caráter e coragem para enfrentar os radicais da direita político-partidária e do mundo empresarial. É isso aí.  

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247