Crônica: o frio e a morte nos campos e na cidade

"A Várzea dos Automóveis amanhece especulando nos jornais com a alta do preço da carne, com a destruição do sorgo e o aumento do preço da ração, e com cristais nos campos e mortos na porta dos comércios"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A massa de ar polar acaricia os pés do planeta em movimentos circulares. De luvas enevoadas e brancas esfrega gelo na plantação de sorgo. As bananeiras amanhecem queimadas, sob a ardência fria das mostardas; as penas carnavalescas de suas grandes folhas estão ao mesmo tempo murchas (para o toque) e ressequidas (ao olhar), pardas; a nebulosa do frio, ciclônica, enregela as almas das plantas, que se mantêm com os caules de pé e as folhas caídas, um campo de velas com chamas eretas e cera derretida; passam a noite lutando contra o anjo do frio e assim, desesperadas, emulam um fogo falso, interior, um fogo invertido e apócrifo, que arrancam da ideia mais extrema da geada.

As corujas buraqueiras pulam até as tocas e ali se fecham, feito novelos cujos nós o calor apenas com muito esforço desata, um a um, e expiram fumaça pelos bicos. Os teiús e os lagartos verdes se convertem em basiliscos e se petrificam, a fiada irregular de suas escamas se espremem, com um rejunte de frio, protegendo o burgo de gelo daquela carne branca. Os animais não comem; a morte, porém, incapaz de jejum, faz vibrar, tremer, debater-se, e então colhe mais um sorgo de silêncio, um pedaço de coisa parada, fora do tempo, e que deve voltar de algum modo ao mundo frenético das metamorfoses. 

A natureza se suspende. Há apenas um único evento, a luta dos vegetais contra a geada flamejante.

PUBLICIDADE

Nas tocas, bactérias ciliadas, saídas de um sonho de Gaudí, lantejoulas vivas, vírus com o formato mecatrônico de transístores saem das órbitas dos corpos em nuvens de vapor, vagam em um mundo pestífero, desconhecido, hostil, no éter desnutrido da nossa realidade, e são sugados pelos funis negros de uma carnosa narina de couro, úmida e fendida ao meio.

Mas na Várzea dos Automóveis o frio despe sua luva de névoa e percorre as ruas em falanges de carroças assírias, há muito tempo mortas, e seus fantasmas passam a fio de espada homens, mulheres, crianças e cães; nos pés da catedral, a lâmina, cega, corta com dificuldade primeiro os dedos, depois os pés e as mãos; e então entra no corpo convulsionado e sobe pela medula, derruba o meticuloso xadrez de torres das vértebras. A velha Assíria impiedosa, tributadora, ativa, transformou-se pelo espelho da morte em uma Mesopotâmia branca, contrária à tributação, passiva e não mais intolerante, porém tolerante com o absurdo. E como algo somente se transforma em oposto se mantiver um núcleo de identidade com o que fora, a nova Assíria do frio imita a ancestral, que enviava à guerra construtores e artesãos, para que soubessem como destruir as fortalezas inimigas.

PUBLICIDADE

A Várzea dos Automóveis amanhece especulando nos jornais com a alta do preço da carne, com a destruição do sorgo e o aumento do preço da ração, e com cristais nos campos e mortos na porta dos comércios.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email