Cunha: quando o rato aparece o gato quer caçá-lo

Esse foi o seu mal. O poder máximo e os holofotes começam a levá-lo para o inferno

eduardo cunha
eduardo cunha (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Enquanto atuava na política submergido no anonimato do grande público e dos veículos de comunicação, o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) teve toda a tranquilidade para elevar o seu capital eleitoral e pessoal. Mas foi só dar um passo adiante e emergir para os holofotes para o seu mundo começar a desabar.

Enfrentou o governo petista e os principais líderes do seu partido antes e depois de conquistar a presidência da Câmara dos Deputados. Para tanto se aliou a deputados insatisfeitos e desejosos de mais espaço no governo e, especialmente, com a oposição comandada pelo senador Aécio Neves. Eduardo Cunha virou o homem forte da República. Amado e odiado, exerceu com força o poder.

Esse foi o seu mal. O poder máximo e os holofotes começam a levá-lo para o inferno. Envolvido na Operação Lava Jato junto com a mulher e uma filha, com contas irregulares no exterior, provavelmente abastecidas com propina - e com risco de ser cassado na Comissão de Ética, a situação é pra lá de crítica.

E quando tudo tá ruim, ainda há espaço para piorar, diz o ditado popular. Pois bem, a Lava jato abriu espaço para uma nova investigação sobre o falso evangélico. Foram descobertas evidências que Eduardo Cunha mobilizou contribuintes para a sua reeleição e para a campanha de aliados. Em troca ganhou o comando da Casa.

A investigação apura se recursos supostamente de propina foram transferidos para candidatos a prefeito em 2012 e para deputados em 2014. Dizem que o material é pra lá de explosivo. Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email