Delações revelam poleiro sujo dos tucanos

O primeiro a chutar o pau da barraca foi o ex-diretor internacional da Petrobras, Nestor Cerveró. Em vídeo que acompanha sua "delação premiada" na Lava-Jato, ele afirma que o ex-presidente FHC foi o "elemento de pressão" decisivo que garantiu a contratação de uma firma do seu filho, Paulo Henrique Cardoso, para a construção de uma termoelétrica da Petrobras

www.brasil247.com - Nestor Cerveró, fala sobre a compra da refinaria de Pasadena (EUA), em audiência conjunta das comissões de Fiscalização Financeira e Controle, Desenvolvimento Econômico e Relações Exteriores (Antônio Cruz/Agência Brasil)
Nestor Cerveró, fala sobre a compra da refinaria de Pasadena (EUA), em audiência conjunta das comissões de Fiscalização Financeira e Controle, Desenvolvimento Econômico e Relações Exteriores (Antônio Cruz/Agência Brasil) (Foto: Altamiro Borges)


A sorte dos tucanos de alta plumagem é que a mídia garante forte blindagem aos seus escândalos de corrupção. Nos últimos dias, vários delatores da midiática Operação Lava-Jato deram detalhes sobre as falcatruas de importantes dirigentes do PSDB. Citaram o ex-presidente FHC, o cambaleante Aécio Neves e até um tucano já falecido, o coronel Sérgio Guerra. As denúncias, porém, não ganharam as manchetes dos jornalões, não foram capas das revistonas e nem viraram motivo de comentários nas emissoras de rádio e tevê. Esta omissão só confirma uma brincadeira que circula na internet; basta ser filiado à sigla dos "cheirosos" para não ser investigado, julgado, condenado e, muito menos, preso!

O primeiro a chutar o pau da barraca foi o ex-diretor internacional da Petrobras, Nestor Cerveró. Em vídeo que acompanha sua "delação premiada" na Lava-Jato, ele afirma que o ex-presidente FHC foi o "elemento de pressão" decisivo que garantiu a contratação de uma firma do seu filho, Paulo Henrique Cardoso, para a construção de uma termoelétrica da Petrobras. Segundo o delator, a associação entre a estatal e a empresa ligada ao filho de FHC - PRS Participações - veio de uma ordem direta de Philippe Reichstul, presidente da Petrobras durante o reinado tucano.
 
Em outro depoimento, o mesmo Nestor Cerveró desmoraliza de vez os falsos moralistas do PSDB. Ele afirma com todas as letras que o período de maior roubalheira na Petrobras se deu exatamente no reinado de FHC. Segundo relato do Jornal do Brasil, "a delação premiada do ex-diretor internacional da estatal traz detalhes sobre esquemas de corrupção efetuados desde 2002, último ano do governo de Fernando Henrique Cardoso. O valor mais alto em propinas é referente à aquisição da argentina Pérez Companc pela Petrobras em 2002, um negócio que rendeu US$ 100 milhões (R$ 354 milhões) em propina para integrantes do governo FHC".
 
Outros escândalos ofuscados pela mídia

Já um vídeo vazado pela Polícia Federal mostra que Sérgio Guerra, ex-presidente nacional do PSDB - falecido em 2014 -, fez de tudo para sabotar a CPI criada para investigar denúncias de corrupção na Petrobras em 2009. Gravado por câmeras de segurança, ele exibe uma reunião do tucano com o então diretor da estatal, Paulo Roberto Costa, e vários empreiteiros. No registro, que também tem áudio, ele afirma ter "horror a CPI". A Folha teve acesso à gravação das conversas, que ocorreram no escritório do lobista Fernando Soares, o Baiano. "Em sua delação, Paulo Roberto Costa disse que Guerra pediu R$ 10 milhões para enterrar a CPI e que o pagamento foi feito pela empreiteira Queiroz Galvão".

Por último, vale citar a delação premiada de Marcelo Odebrecht. A mídia tucana só realçou o trecho em que o empreiteiro cita o apoio financeiro à eleição de Dilma Rousseff, em 2014. Já a parte em que ele diz que a empresa contribuiu com a campanha derrotada de Aécio Neves não mereceu manchetes. A "Veja" só considerou dinheiro podre a contribuição para a petista. Já o cambaleante recebeu grana abençoada e não foi destaque na revista do esgoto. Diante da evidente manipulação, a assessoria da presidenta rechaçou as "informações veiculadas de maneira seletiva, arbitrária e sem amparo factual", condenou "a ofensiva de setores da mídia com o objetivo de atacar sua honra pessoal" e anunciou que "irá tomar as medidas judiciais cabíveis para reparar os danos provocados pelas infâmias".
 
A cobertura parcial e seletiva da mídia golpista, em conluio com setores da Justiça, ajuda a explicar porque alguns líderes do PSDB ainda insistem em se travestir de paladinos da ética. O poleiro tucano está mais sujo do que pau de galinheiro. Os inúmeros escândalos de corrupção - e muitos deles ainda nem vieram à tona - comprovam que os tucanos são moralistas sem moral, são cínicos oportunistas. Eles só mantêm as aparências graças à blindagem da mídia e ao jogo sujo de promotores e juízes. 
 
No final de maio, por exemplo, vazou a notícia de que a delação do sócio da OAS foi abafada porque ele inocentou Lula. Segundo uma nota de rodapé da Folha, "as negociações do acordo de delação de Léo Pinheiro, ex-presidente e sócio da OAS condenado a 16 anos de prisão, travaram por causa do modo como o empreiteiro narrou dois episódios envolvendo o ex-presidente Lula". O empreiteiro inocentou o líder petista no caso das obras do apartamento tríplex do Guarujá e do sítio de Atibaia. Como o depoimento frustrou as intenções dos "justiceiros" da Lava-Jato, ele foi rejeitado pela turma de Sergio Moro e foi abafado pela mídia - a mesma que blinda os "santos" tucanos!

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email