Desabafo da Ema

“Já tinha ouvido falar que esse homem com jeito de maluco e língua presa nutria uma queda por bichos de pena. Não era uma admiração contemplativa, nem muito menos platônica, antes fosse. O sujeito na sua tenra idade, se atracava com as irmãs galinhas para obter delas favores sexuais

Siga o Brasil 247 no Google News

“Já tinha ouvido falar que esse homem com jeito de maluco e língua presa nutria uma queda por bichos de pena. Não era uma admiração contemplativa, nem muito menos platônica, antes fosse. O sujeito na sua tenra idade, se atracava com as irmãs galinhas para obter delas favores sexuais. Corria a bico miúdo que quando o moleque asqueroso chegava junto ao galinheiro, era galinha correndo para tudo o que é lado, com medo de ser o prato da vez, dos seus apetites mundanos.  

Suspirei aliviada, quando numa entrevista o já homem, outrora menino das galinhas, respondeu a um jornalista que usava dinheiro público para comer gente. Para todas nós, adornadas com penas, foi um alívio. Parecia que ele havia esquecido o passado tenebroso de violência contra as bicudinhas. 

Com a notícia, todos os galinheiros do país promoveram festas animadas com direito a rações especialíssimas, água farta e todos os alimentos à base de milho. Afinal, a boa nova não poderia ser melhor; as bichas de pena estariam livres do violentador, para sempre. 

PUBLICIDADE

Ledo engano, quando menos se esperava, o perverso estava a rondar o nosso espaço, nos oferecendo guloseimas, como uma forma de nos seduzir. Agora que está mais velho e não pode atacar as baixinhas (seus joelhos não funcionam mais), resolveu nos perseguir, pois somos altas, esguias e com todo o respeito às coleguinhas, bem mais atraentes. Chegou como não quisesse nada, acompanhado, falando baixo e com a mão abarrotada de alimentos, tal qual um pedófilo distribuindo doces para as criancinhas. 

Ávida por uma justiça emplumada e com a intenção de colocá-lo no seu lugar, dei-lhe uma bicada para que o sujeito não esquecesse a ira de uma pescoçuda. Meus pais, Sr.Emanuel e Sra Ematerna, não gostaram do que fiz; temeram pela nossa segurança, pois o homem tem fama de querer destruir quem o contraria. 

PUBLICIDADE

Não me arrependi. O nojo foi tão grande, tão grande, que não dava mais para aceitar que aquele imundo chegasse perto de qualquer ser, com ou sem penas. Recebi apoio de todos os galinheiros e fazendas de irmãs plúmeas e até mesmo da espécie humana. Fiquei mais empoderada e minha família mais tranquila.

Acreditei que depois dessa, o delinquente verde amarelo, desistiria de me perseguir. Mas que nada! Como um machinho que não suporta levar um não da sua conquista, partiu para o revide. Tinha que mostrar ao mundo que conseguiria o seu intento. Reapareceu das trevas planaltiana, com uma caixinha na mão, acenando para mim. 

PUBLICIDADE

Incrédula da bestialidade do ser, fiquei me perguntando que diabos teria ali dentro. Uma amiga vendo a presepada do indivíduo, confidenciou-me, ao pé do ouvido, que era um veneno que já havia matado muita gente no Brasil. Com mais ódio, cheguei perto do mulambento, bem mansinha, e dei-lhe uma nova bicada para que ele não me tratasse como os bichos do seu cercadinho. A partir de então, todos os galinheiros e fazendas estão em alerta. Parece que o bicho papão voltou.”

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email