Deu a louca no Senado

A posse dos novos Senadores, assim como a votação para a eleição do novo presidente do senado, seria realizada na sexta-feira. Porém, os novos empossados não estavam se entendendo muito bem, e foi necessária a intervenção do STF para botar ordem na casa

Deu a louca no Senado
Deu a louca no Senado

Reza a lenda, que o Imperador romano Calígula tinha tanta estima por seu cavalo de corrida Incitatus, que o teria nomeado Senador. Segundo as más línguas, o animal possuía dezoito criados pessoais, era enfeitado com jóias preciosas, dormia envolto a mantas de cor púrpura (a cor dos trajes imperiais da época) e foi reproduzido em uma estátua de tamanho natural, feita em mármore a pedido de seu dono.

Ou seja, Incitatus, o parlamentar equino de Roma, apesar de todos os mimos que eram-lhes concedidos por seu Imperador, ainda possuía muito menos privilégios do que um Senador da nossa república. E também não consta nos "autos", que ele tenha feito no senado, aquilo que todo cavalo costuma fazer em público, quando a necessita aperta. Diferentemente, dos nossos ilustres parlamentares de Brasília, que durante a votação para a escolha do novo presidente da casa, protagonizaram uma defecada federal.

A posse dos novos Senadores, assim como a votação para a eleição do novo presidente do senado, seria realizada na sexta-feira. Porém, os novos empossados não estavam se entendendo muito bem, e foi necessária a intervenção do STF para botar ordem na casa. A principal divergência era sobre se o voto deveria ser aberto ou secreto. O presidente do supremo Dias Toffoli, determinou que a votação fosse secreta, o que é uma norma do regimento da casa. Cheguei a me questionar, se a eleição era para a presidência do Senado, ou para presidente do Vasco.

Renan Calheiros era o candidato a ser batido. Ou seria abatido? "Todo mundo odeia o Renan", era a série que estava sendo exibida para todo o Brasil, por horas e horas. Eu estava assistindo a Senadores da república, usando os mesmos critérios de votação do BBB, para escolher o presidente da casa. Só faltou chamarem o Bial para declarar o resultado da eleição. A diferença, é que aquela casa o povo não vigia e nem se interessa em dar uma espiadinha de vez em quando, pra ver o que os brothers estão aprontando lá dentro.

Se fossemos realmente um povo sério e preocupado em combater a corrupção, não estaríamos assistindo ao ex presidente Collor falar de sua honestidade na vida pública, sem ter vontade de invadir o recinto e tirá-lo de lá aos gritos de: "Devolve a minha poupança!", e mandá-lo tomar vergonha na cara. Tem que ter aquilo muito roxo, para fazer um discurso tão burlesco e acreditar que conta com a credulidade dos ouvintes. Incitatus relinchando seria mais crível.

Para completar a vergonha, alguém tentou fraudar a eleição, colocando uma cédula a mais na urna de votação. E o pior de tudo, é que a cédula fraudada contava com a rubrica do presidente e do vice presidente da mesa. Nem nas festas do cabide que Calígula costumava organizar em Roma, viu-se tamanha sacanagem. E depois de muita resenha, confusão, gritaria e renúncia de Renan Calheiros à sua candidatura, elegeu-se como presidente do cabaré o novato Senador Davi Alcolumbre, do DEM, que, segundo corre a boca miúda, contou com o lobby de Ônyx Lorenzoni, ministro chefe da casa civil.

O que deve ser motivo de registro e de uma revolta popular, é a forma como os nossos representantes conduzem o destino do país. Tenho a impressão, de que se as oitenta e uma cadeiras do senado federal, fossem destinadas a oitenta e um equinos, como Incitatus, estaríamos melhor representados. O que presenciamos foi uma ode a baderna e a confirmação de que não existe político ruim e povo honesto. Todos que lá estão, foram eleitos através do voto popular. Isso significa, que só recebemos aquilo que pedimos.

Para terminar, vale a pena lembrar dos benefícios que um Senador da nossa república desfruta, para conduzir o congresso como um estábulo. 33 mil reais de salário, 5.500 reais de auxílio moradia, 82 mil reais de verba de gabinete, assistência médica ilimitada e plano de saúde vitalício (ex senadores também têm direito ao benefício), cota de atividade parlamentar entre 30 e 45 mil reais. Somando salário e benefícios, cada Senador recebe cerca de 165 mil reais por mês.

É! Pelo visto, nem o cavalo de Calígula comeu tanto capim quanto nós.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247