Dez dias que vão abalar o Brasil

O jornalista e colunista Alex Solnik prevê turbulências para o período em que a presidente do STF, Cármen Lúcia, assumirá a Presidência da República; no STF, em seu lugar assume o vice, Dias Toffoli, que deve sofrer pressões, de um lado e de outro, para colocar em votação ou não a ADC que poderá restabelecer a presunção de inocência e libertar o ex-presidente Lula; "Ele vai viver o dilema de Hamlet: ou coloca a questão em votação, o que será uma punhalada nas costas de Cármen Lúcia, mas fará bem ao Brasil ou se faz de vice decorativo e engaveta a ADC, o que fará bem a Cármen Lúcia, mas será mais uma punhalada na democracia brasileira", diz Solnik

Carmen Lúcia e Dias Toffoli 
Carmen Lúcia e Dias Toffoli  (Foto: Alex Solnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

   Entre 6 e 16 de maio, durante viagem de Temer a Tailândia, Singapura e Vietnã, quando a presidente da STF, Cármen Lúcia assumir a presidência da República vamos assistir a dois eventos importantes.

   O primeiro é o evento das autoridades que fogem explicitamente do seu dever constitucional. Temer deveria ser substituído, diz a constituição, pelo primeiro na linha sucessória, que é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Mas ele arrumou algum pretexto para passar essa temporada fora do Brasil, às custas dos brasileiros, é claro.

   Vai fazer isso porque, se assumir, não poderá concorrer a nada em outubro. Como a lei permite que ele não assuma se estiver em viagem ao exterior, Maia arranjou uma viagem para servir de pretexto e esconder o real motivo: não vai assumir para poder concorrer em outubro a presidente da República, ao menos é o que ele imagina hoje.

   O segundo na linha de sucessão, o presidente do Senado, Eunício Oliveira vai usar o mesmo expediente para justificar seu impedimento. The show must go on. E os brasileiros vão pagar mais essa farra parlamentar.

   A bomba estourou na mão da Cármen Lúcia, presidente do STF. Não dá para acumular os cargos. No STF, em seu lugar assume o vice, Dias Toffoli, o que pode dar curto circuito, porque eles não seguem a mesma cartilha.

   Não é difícil adivinhar que nesse período Tofolli vai sofrer enormes pressões, de um lado e de outro, para colocar em votação ou não a ADC que poderá restabelecer a vigência do artigo 5º, sustada pelo STF desde 2016, em consequência de um apertado placar de 6 a 5.

   Ele vai viver o dilema de Hamlet: ou coloca a questão em votação, o que será uma punhalada nas costas de Cármen Lúcia, mas fará bem ao Brasil ou se faz de vice decorativo e engaveta a ADC, o que fará bem a Cármen Lúcia, mas será mais uma punhalada na democracia brasileira.         

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247