Dilma versus Temer

"Com o perdão do trocadilho, a decisão do Palácio do Planalto de defender o fim do recesso parlamentar e, com isso, acelerar o rito do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff pode ter sido uma aposta um tanto temerária", diz Leonardo Attuch, editor do 247; ele lembra que "tudo o que Dilma tem para oferecer aos aliados, Temer pode oferecer em dobro, até porque seu eventual governo teria ainda os espaços abertos pela saída do PT"; segundo o jornalista, "se não houver recesso, Brasília poderá viver em janeiro a maior temporada de traições e conspirações de sua história"

"Com o perdão do trocadilho, a decisão do Palácio do Planalto de defender o fim do recesso parlamentar e, com isso, acelerar o rito do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff pode ter sido uma aposta um tanto temerária", diz Leonardo Attuch, editor do 247; ele lembra que "tudo o que Dilma tem para oferecer aos aliados, Temer pode oferecer em dobro, até porque seu eventual governo teria ainda os espaços abertos pela saída do PT"; segundo o jornalista, "se não houver recesso, Brasília poderá viver em janeiro a maior temporada de traições e conspirações de sua história"
"Com o perdão do trocadilho, a decisão do Palácio do Planalto de defender o fim do recesso parlamentar e, com isso, acelerar o rito do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff pode ter sido uma aposta um tanto temerária", diz Leonardo Attuch, editor do 247; ele lembra que "tudo o que Dilma tem para oferecer aos aliados, Temer pode oferecer em dobro, até porque seu eventual governo teria ainda os espaços abertos pela saída do PT"; segundo o jornalista, "se não houver recesso, Brasília poderá viver em janeiro a maior temporada de traições e conspirações de sua história" (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Com o perdão do trocadilho, a decisão do Palácio do Planalto de defender o fim do recesso parlamentar e, com isso, acelerar o rito do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff pode ter sido uma aposta um tanto temerária.

O levantamento mais recente da temperatura parlamentar aponta que hoje Dilma teria 258 votos garantidos no plenário da Câmara – 86 a mais do que o mínimo necessário para se manter no poder. Daí a pressa em resolver rapidamente a disputa, ainda nas férias de janeiro e antes que a chamada “voz rouca das ruas” pressione o parlamento. 

No entanto, a arte da política nunca foi o ponto forte da presidente Dilma Rousseff, sempre criticada por resistir a fechar acordos com seus aliados e não cumpri-los – dando-se a ela o crédito de que muitos desses acordos nem sempre eram republicanos. 

Ao contrário da presidente, o vice Michel Temer, hoje o principal interessado no impeachment, é um articulador nato. E tudo o que Dilma tem para oferecer aos aliados, Temer pode oferecer em dobro, até porque seu eventual governo teria ainda os espaços abertos pela saída do PT.

Nesse jogo de xadrez, o tempo poderia ser um aliado de Dilma, consolidando a imagem de que ela foi vítima da vingança do franco-atirador Eduardo Cunha. Além disso, a judicialização do processo poderia fazer com que o Brasil emendasse Natal, Ano Novo, férias, Carnaval, Olimpíadas e eleições municipais, deixando o impeachment em segundo plano.

Dilma decidiu pagar para ver e, se não houver recesso, Brasília poderá viver em janeiro a maior temporada de traições e conspirações de sua história. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247