Ditadura chamava de "desaparecidos" os presos que executava

"O regime chamava de 'desaparecidos' presos políticos cujo destino não podia ser revelado. Ninguém consegue desaparecer, nem mesmo na Amazônia", diz Alex Solnik

www.brasil247.com - Divulgação/Funai/Arquivo | Reprodução Twitter/@domphillips | Ricardo Lima/Reuters
Divulgação/Funai/Arquivo | Reprodução Twitter/@domphillips | Ricardo Lima/Reuters (Foto: Bruno Araújo Pereira e Dom Phillips)


Ninguém consegue desaparecer, a não ser nos filmes de Harry Potter. No entanto, o regime militar chamava de “desaparecidos” presos políticos cujo destino não podia ser revelado, mas que mais tarde se soube terem sido executados sob tortura e seus cadáveres queimados ou jogados no mar. 

Ninguém consegue desaparecer, nem mesmo na Amazônia. O jornalista Dom Philips e o indigenista Bruno Pereira saíram, às 7 da manhã de domingo (5), de barco, da comunidade indígena de São Rafael em direção à comunidade de Atalaia do Norte, a duas horas de distância, próximo à fronteira com o Peru, onde eram esperados.

Não houve tempestade, não tinha como se perder (portavam celular para pedir socorro) e, ainda assim, não chegaram ao destino. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na comunidade de São Rafael tinham sido intimidados por um grupo de homens armados, liderados por um certo “Pelado”. O jornalista tirou fotos do grupo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Testemunhas viram o barco de “Pelado” no encalço do barco que transportava o jornalista e o indigenista. O indigenista já tinha recebido várias ameaças e exonerado da Funai por contrariar a política de destruição da Amazônia patrocinada pelo governo Bolsonaro. “Pelado” foi preso porque de fato era dono do barco descrito por testemunhas e escondia munição exclusiva das Forças Armadas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apesar de tantos indícios de que eles foram executados, o delegado da PF encarregado do caso disse ontem não trabalhar com essa hipótese.

Prefere, por ora, chamá-los de “desaparecidos”.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email