Ditadura não é uma questão de semântica

A infeliz fala do excelentíssimo senhor ministro não foi palavra jogada ao vento, nem dita aleatoriamente. Trata-se, isso sim, de uma retórica inserida em um conjunto de discursos que se dão no âmbito da política da pós-verdade, que se caracteriza por tentar reescrever os fatos que não são favoráveis aos donos do poder, deturpando as narrativas históricas

www.brasil247.com - Ministro Luiz Eduardo Ramos
Ministro Luiz Eduardo Ramos (Foto: Marcos Corrêa/PR | Wikimedia Commons)


Dicionários como o Aurélio (2010), por exemplo, nos dizem que a palavra semântica (ver página 1909) vem do grego semantiké, que é a arte da significação e, por conseguinte, o estudo das mudanças ou translações sofridas, no tempo e no espaço, pela significação das palavras. O mesmo dicionário também registra, à sua página 731, que ditadura é a forma de governo em que todos os poderes se enfeixam nas mãos dum indivíduo, dum grupo, duma assembleia, dum partido ou duma classe. Diz ainda tratar-se de um regime que cerceia ou suprime as liberdades individuais.

As definições acima são necessárias à reflexão que trazemos, a partir da fala proferida pelo general Ramos, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, que em audiência na Câmara dos Deputados afirmou que a classificação — ou não — do período entre 1964 e 1985 como uma ditadura militar é uma questão de "semântica" — ou seja, algo que depende de interpretação pessoal. Disse ele: "Eu diria que foi um regime militar de exceção, muito forte". Imerso no universo de notícias que nos adoecem cotidianamente fiquei pensando como a declaração de um militar de alta patente, como o excelentíssimo senhor ministro, membro importante de um governo democraticamente eleito, seria recebida pelas instituições argentinas, uruguaias ou chilenas. A conclusão é que algumas coisas só podem ser ditas e feitas aqui, no Brasil. 

A declaração estapafúrdia do general ministro fez Michel Pêcheux (1938-1983), autor de Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio (1975), se remexer na tumba.  Mais da metade dos historiadores do mundo, por sua vez, momentaneamente colapsaram, e ainda teimam em não acreditar no que leram na mídia, pois sabem muito bem que a ditadura civil-militar brasileira não é, nem nunca será, uma questão de semântica, uma vez que às perseguições, atentados, aprisionamentos, desaparecimentos, torturas e assassinatos ocorridos no período de 1964 a 1985, não cabe, em hipótese alguma, qualquer forma de “interpretação pessoal”, pois tratam-se de inquestionáveis fatos, não de ficção. Assim, ao se tentar tomar como aceitável o inaceitável dito pelo senhor ministro, também ter-se-ia que conceber a escravização de homens e mulheres livres, o holocausto ou os genocídios que ocorreram, e ainda ocorrem mundo afora, como meras questões de semântica. Logo, o que defende o general não fica de pé, pois não se sustenta historicamente, tendo em vista que a ditadura civil-militar brasileira, como qualquer outra forma de repressão, não se constitui como questão metafórica, muito menos semântica. Afirmar tal coisa é tripudiar sobre a dor da perda, minimizando uma das maiores aberrações praticadas pelos agentes do Estado brasileiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A infeliz fala do excelentíssimo senhor ministro não foi palavra jogada ao vento, nem dita aleatoriamente. Trata-se, isso sim, de uma retórica inserida em um conjunto de discursos que se dão no âmbito da política da pós-verdade, que se caracteriza por tentar reescrever os fatos que não são favoráveis aos donos do poder, deturpando as narrativas históricas. Assim, à guisa de conclusão, sugerimos que os defensores de tal necropolítica venham a público e digam às centenas de milhares de famílias que não puderam enterrar seus filhos e filhas, que eles e elas foram presos e, semanticamente, torturados e mortos. Ao contrário do que pretendem, a semântica não lhes serve de álibi. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email