Dona Cármen Lúcia traiu Teori

Antes de morrer na queda do avião, Zavascki expressara o desejo de tornar públicas as 77 delações da Odebrecht que foram homologadas na manhã de ontem (30). Cármen Lúcia fez o serviço pela metade. Ela homologou, mas manteve os conteúdos delatados sob segredo de justiça

Brasília - O ministro Teori Zavascki e a presidente do STF, Cármen Lúcia, chegam para sessão plenária para definir a fixação da tese de repercussão geral nas ações que tratam da desaposentação (José Cruz/Agência Brasil)
Brasília - O ministro Teori Zavascki e a presidente do STF, Cármen Lúcia, chegam para sessão plenária para definir a fixação da tese de repercussão geral nas ações que tratam da desaposentação (José Cruz/Agência Brasil) (Foto: Esmael Morais)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Os internautas acreditam que dona Cármen Lúcia, presidenta do STF, traiu a memória do falecido ministro Teori Zavascki que era relator da Lava Jato naquela corte.

Antes de morrer na queda do avião, Zavascki expressara o desejo de tornar públicas as 77 delações da Odebrecht que forma homologadas na manhã de ontem (30).

Cármen Lúcia fez o serviço pela metade. Ela homologou, mas manteve os conteúdos delatados sob segredo de justiça.

A sensação de que a presidenta do Supremo traiu Teori, ao não levantar o sigilo, é cada vez maior nas redes sociais e na sociedade brasileira.

Dona Cármen poderia ter submetido à luz as delações, mas, ao que parece, deixou para que o próximo relator a ser sorteado o faça ou não.

O diabo é que esse "segredo de justiça" só beneficia a Globo que obtém vazamentos seletivos da operação Lava Jato. Esse método é ruim para a mídia plural e democrática e para os próprios acusados que não têm direito ao contraditório devido ao suposto sigilo

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247