Doria não se fantasiava de gari à toa

O colunista do 247, Alex Solnik, comenta a relação do prefeito João Doria e a gestão pública com os negócios do grupo Lide, criado por ele e que abriga empresas e interesses comerciais; "Depois de Doria se eleger prefeito, o clube, que já tem 1797 associados em todo o Brasil – que pagam de 10 mil a 16 mil de reais por ano somente a título de taxa, sem contar o dinheiro que desembolsam nos demais eventos", "Doria se defende dizendo que formalmente passou o Lide para seu filho, o que só confirma que o controle continua sendo seu, a menos que seu filho seja seu desafeto, do que não há notícia. Não há dúvida que ele tem um grande talento para gestor. Mas de seus próprios negócios. Quando se fantasiava de gari não era só para aparecer", afirma Solnik

O colunista do 247, Alex Solnik, comenta a relação do prefeito João Doria e a gestão pública com os negócios do grupo Lide, criado por ele e que abriga empresas e interesses comerciais; "Depois de Doria se eleger prefeito, o clube, que já tem 1797 associados em todo o Brasil – que pagam de 10 mil a 16 mil de reais por ano somente a título de taxa, sem contar o dinheiro que desembolsam nos demais eventos", "Doria se defende dizendo que formalmente passou o Lide para seu filho, o que só confirma que o controle continua sendo seu, a menos que seu filho seja seu desafeto, do que não há notícia. Não há dúvida que ele tem um grande talento para gestor. Mas de seus próprios negócios. Quando se fantasiava de gari não era só para aparecer", afirma Solnik
O colunista do 247, Alex Solnik, comenta a relação do prefeito João Doria e a gestão pública com os negócios do grupo Lide, criado por ele e que abriga empresas e interesses comerciais; "Depois de Doria se eleger prefeito, o clube, que já tem 1797 associados em todo o Brasil – que pagam de 10 mil a 16 mil de reais por ano somente a título de taxa, sem contar o dinheiro que desembolsam nos demais eventos", "Doria se defende dizendo que formalmente passou o Lide para seu filho, o que só confirma que o controle continua sendo seu, a menos que seu filho seja seu desafeto, do que não há notícia. Não há dúvida que ele tem um grande talento para gestor. Mas de seus próprios negócios. Quando se fantasiava de gari não era só para aparecer", afirma Solnik (Foto: Alex Solnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

“Quer ter acesso ao prefeito Doria? Associe-se ao Lide”. Pode ser resumida desse modo a reportagem de Thais Bilenky, na Folha de hoje.

O Lide é uma espécie de clube de empresas com faturamento acima de 200 milhões de reais por ano, fundado por João Doria, que promove seminários, jantares e outros eventos sociais, inclusive fins-de-semana nas praias mais aprazíveis do país, dos quais participam grandes nomes do PIB e da política.

Depois de Doria se eleger prefeito, o clube, que já tem 1797 associados em todo o Brasil – que pagam de 10 mil a 16 mil de reais por ano somente a título de taxa, sem contar o dinheiro que desembolsam nos demais eventos, muito maior e em anúncios nas revistas do grupo – foi incrementado com as multinacionais Starbucks e Burger King, a estatal Caixa Econômica Federal e a empresa privada Destre Ambiental, do setor de lixo.

Starbucks e Burger King se associaram em novembro do ano passado, um mês depois de Dória se eleger.

A Caixa se associou em março deste ano.

No mesmo mês fechou parceria com a prefeitura na Nota do Milhão. Gilberto Occhi, presidente do banco, participou de oito agendas de Doria desde então.

Também em março, Doria lançou, em parceria com a Estre Ambiental um aplicativo do programa Limpa-Rápido. Em julho, a empresa se associou ao Lide. Em agosto, seu presidente, Wilson Quintella foi capa da revista “Lide”.

Doria se defende dizendo que formalmente passou o Lide para seu filho, o que só confirma que o controle continua sendo seu, a menos que seu filho seja seu desafeto, do que não há notícia.

Não há dúvida que ele tem um grande talento para gestor. Mas de seus próprios negócios.

Quando se fantasiava de gari não era só para aparecer.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247