Dubai-Davos, o consciente-inconsciente coletivo do "andar de cima"

"Davos e Dubai se reafirmam como importantes e contemporâneos marcos do "andar de cima das altas finanças" que explicitam a hegemonia do capital financeiro dentro da lógica da gestão de ativos e da extração de valor da renda do trabalho", aponta o jornalista Roberto Moraes

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


Dubai parece um ímã que atrai, consciente ou inconscientemente, os que desejam um mundo para poucos, distante da maioria, embora construído com o suor destes. Dubai é o mundo real da distopia produzida nas ideias e nos interesses de Davos que esgarça a civilização e se reenamora com a barbárie.

Há ainda contradições entre Davos e Dubai, mas elas se complementam. A primeira está na Suíça, é sede do Fórum Econômico Mundial e espaço de circulação dos negócios financeiros offshore que se escondem a tributação, enquanto aumentam seus rendimentos e derivativos. 

Enquanto Dubai é parte dos Emirados Árabes Unidos, que vivem acumulando riqueza em seus fundos soberanos oriundos da riqueza do petróleo e assim, entraram no jogo da multiplicação de rendimentos no andar superior das altas finanças.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Porém, simbolicamente, Davos e Dubai se reafirmam como importantes e contemporâneos marcos do "andar de cima das altas finanças" que explicitam a hegemonia do capital financeiro dentro da lógica da gestão de ativos e da extração de valor da renda do trabalho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Davos e Dubai expõe ainda os processos de controle dos fundos financeiros sobre a economia e a produção real. Exigem e recebem as ofertas de entrega das estatais (planos de privatizações) de Estados-nacionais que consentem e assumem a dependência.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Há alternativas a essa lógica do capitalismo da gestão de ativos e destas inovações financeiras ampliadas pelo potencial da tecnologia e das plataformas digitais que fagocitam a economia real, em processos altamente concentrados e com tentáculos espalhados forma espacial, transescalar e global.

Para isso é necessário impedir que as finanças continuem se tornando o efetivo centro dinâmico da economia capitalista contemporânea hegemonicamente financeiro em que Davos e Dubai são símbolos. O caminho é o de limitar a atuação deste circuito financeiro global, em que seus agentes atuam capturando a autonomia e a soberania dos Estados-nações. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tenho dúvidas se ainda há chances de superar este esgarçamento hipercapitalista contemporâneo. Mas, há que se dedicar a esta tarefa hercúlea que passa por fortes lideranças regionais e por amplas articulações interestatais, organizadas em novas e necessárias instituições. O Brasil pode ser parte desta construção alternativa. Ou não.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email