Dúvidas em relação a 2018 e certezas em relação à carne

Continuo tentado a ver coisas através da teoria da conspiração. É muito suspeito que procuradores e policiais federais tenham entrado em conluio com norte-americanos para  liquidar a estrutura produtiva e de exportação brasileira de carne, favorecendo os concorrentes dos EUA e atingindo exportações brasileiras para a Rússia, que se encontra sob boicote americano. Agora sabemos, pela boca dos próprios procuradores, que são alimentados pelo aparato de informações norte-americanos. Será que são informações de boa fé?

Brasil, Promissão, SP, 09/03/2006 – Foto: Alf Ribeiro – Linha de produção e corte de carne do Frigorífico Marfrig, em Promissão, SP
Brasil, Promissão, SP, 09/03/2006 – Foto: Alf Ribeiro – Linha de produção e corte de carne do Frigorífico Marfrig, em Promissão, SP (Foto: Jose Carlos de Assis)

Amigos meus do campo progressista aventam a possibilidade de não realização das eleições presidenciais do próximo ano. Não consigo identificar todas as razões invocadas para isso, mas é certo que algumas povoam pesadelos e sonhos da direita e da esquerda.

A primeira diz respeito ao medo da direita de que Lula volte. Isso se baseia nos seguintes pressupostos: primeiro, que Lula vai superar todos os óbices legais e de saúde que embaraçam, em tese, sua candidatura. Nessa hipótese, afirmam, ele seria imbatível.

Os que abraçam essa tese se agarram a pesquisas de opinião que colocam Lula na liderança inquestionável da corrida presidencial. Dada essa convicção, não se discute o fato de que Lula é imbatível, sim, mas no Nordeste, e muito fraco eleitoralmente no Sudeste e Sul.

Subestima-se, por outro lado, o efeito de onze anos de ataque sistemático a Lula e ao PT pela televisão e o resto da grade mídia. Esse é um fato curioso porque se supõe uma grande influência desses meios sobre o eleitorado, porém não um desgaste provocado por eles.

Em termos realistas, é perfeitamente plausível que Lula seja impedido de candidatar-se por algum caminho “legal”. Não somos uma democracia consolidada e ela está sujeita a múltiplas manobras por parte de uma classe dominante que não toleraria a volta de Lula.

Nesse sentido, é mais “econômico” tirar Lula da disputa do que impedir a realização de eleições no próximo ano. Naturalmente, é necessário que as eleições possam ser controladas. Isso depende de quem seriam os candidatos da situação e os da oposição.

É claro que, para milhares ou milhões de pessoas, Lula surgiria vitorioso como num passe de mágica, um salvador da pátria. Para a direita, por outro lado, isso significaria que todo o esforço despendido para depor Dilma teria sido inútil. Difícil acreditar na volta .

Imagino que uma  “solução” intermediária. Seriam realizadas eleições, mas Lula seria impedido, por algum artificio, de sair candidato – se é que essa decisão não resultasse de vontade  dele mesmo. O PSDB e o PMDB se encarregariam de viabilizar o candidato da direita.

As hipóteses, como se vê, são infinitas. Refletem a situação retratada matematicamente como caos. Há muitos agentes independentes interagindo entre si, longe um caminho determinístico. Apenas os ingênuos acham que o caminho está definido.

Há, porém, uma hipótese que conduz a uma solução determinística: a convulsão social e uma guerra civil. Isso deveria implicar uma intervenção militar. Mas também há dúvida. As Forças Armadas se manteriam unidas, preservando seu sentido de hierarquia  e disciplina?

Num raciocínio simplista, pode-se argumentar que os militares tem mais dívidas em relação aos governos Lula que a qualquer outro governo. Contudo, há o fator ideológico, e o fato de existir uma articulação orgânica entre militares e as classes dominantes.

Enfim, temos elementos suficientes de dúvida quando avaliamos as possibilidades da eleição presidencial de 2018. Contudo, é mais seguro considerar que, em qualquer hipótese, elas se realizarão. Do contrário, o fato de serem eventualmente realizadas será apresentada pela direita como uma demonstração cabal de que estamos numa democracia.

Teoria da conspiração

Continuo tentado a ver coisas através da teoria da conspiração. É muito suspeito que procuradores e policiais federais tenham entrado em conluio com norte-americanos para  liquidar a estrutura produtiva e de exportação brasileira de carne, favorecendo os concorrentes dos EUA e atingindo exportações brasileiras para a Rússia, que se encontra sob boicote americano. Agora sabemos, pela boca dos próprios procuradores, que são alimentados pelo aparato de informações norte-americanos. Será que são informações de boa fé?

 

 

 

 

 

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Miguel Paiva

Dar trabalho dormir em paz

Colunista Miguel Paiva, membro do Jornalistas pela Democracia, afirma que Jair Bolsonaro" defende interesses particulares como se fossem anseios coletivos iludindo o povo". "Tudo o que ele quer...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247