É isto um homem?

A matança indiscriminada de animais, a poluição das nascentes e o desrespeito pelo próximo alcançaram níveis insuportáveis



Escrever um texto com este título exige, antes de tudo, um pedido de licença a Primo Levi (1919-1987), que assim intitulou a obra na qual faz um relato da sua experiência em campos de concentração. Irretocável, a pergunta que nos faz Levi continua servindo como forma de questionamento acerca dos nossos limites e do mal que o ser humano insiste em abrigar, alimentar e espalhar. Que homem é este que destrói sua própria casa, queimando florestas, derretendo geleiras, envenenando a comida, poluindo rios e mares, e que consegue sorrir enquanto milhares morrem vítimas da sua estupidez? 

Parece-nos que chegamos ao limite da nossa irresponsabilidade, enquanto seres humanos. Infelizmente, chegamos também ao ponto de não retorno.  A matança indiscriminada de animais, a poluição das nascentes e o desrespeito pelo próximo alcançaram níveis insuportáveis. O planeta está esgotado e não há mais tempo para reverter o processo de caos. Em meio a tudo isso, o ser humano baba e esperneia, tentando se afogar no vômito da sua própria insanidade, dedicando os últimos zeptosegundos que lhe restam ao exercício da mediocridade e da insensatez. 

E de repente, nos pegamos pensando em como a barbárie ainda se mantém em tempos ditos modernos, pós-modernos e líquidos. Uma resposta para tal reflexão seria a compreensão e, consequente aceitação, de que a barbárie não é algo exterior ao homem, mas algo que vive em seu íntimo, pronta a despertar não se sabe bem como ou quando. Os romanos consideravam “bárbaros” todos aqueles que ultrapassavam os limites políticos, jurídicos e morais. É claro que esses limites eram determinados pela política expansionista da própria Roma. Em tempos mais recentes, no entanto, considera-se como “bárbaro” o ser humano que age contrariamente aos princípios racionais, que existem para manter os povos em harmonia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sobre esta questão, me vem à mente o livro A barbárie interior – ensaios sobre o i-mundo moderno (2001), de Jean-François Mattéi. Lá, o autor observa que o conceito de bárbaro se fez presente nos principais momentos da história da humanidade. Se hoje a barbárie não é tão referenciada, não quer dizer que tenha sumido, ao contrário. Hoje, a barbárie se manifesta desde a decadência da educação, ao despertar de alguns regimes totalitários. No mundo contemporâneo, afirma Mattéi, a grande barbárie é a infidelidade do homem à sua própria humanidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Falando nisso, lembro que gosto muito da expressão “à espera dos bárbaros”, que nomeia um romance do escritor sul-africano J.M Coetzee e também um poema de Constantino Cavafis (1863-1933). Rica em significação, a referida expressão nos leva a inferir, que não estamos realmente à espera dos bárbaros, pois, na verdade, eles nunca saíram de nós. Talvez tenham até se “reinventado”, se “modernizado”, tornado-se “homens”, mas sempre estiveram ali, à espreita. Se assim não fosse, como denominaríamos aquele que se regozija por estuprar uma mulher, uma mulher bêbada e inconsciente? É isto um homem ou é isto um bárbaro? E como deve ser chamado aquele que defende torturadores carniceiros, como se fossem homens de honra? Bárbaro, certamente. Há ainda os negacionistas, os espancadores e abusadores de crianças e mulheres, corruptos, assassinos de índios, negros, pobres, minorias. Homens ou bárbaros?  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Voltando a Mattéi, o filósofo afirma que o bárbaro não é mais estranho ao humano que a barbárie é estranha à civilização, ou a morte à vida: cada um dos elementos do par, sem ser semelhante ao outro, é inseparável dele, o que significa dizer que a barbárie é constitutiva da humanidade ou, em outros termos, que é interior a ela. Platão, por sua vez, no VII livro de A República (IV a.C), afirma que a barbárie reside bem no fundo da nossa alma; um fundo tão opaco quanto um lamaçal, impróprio para se abrir à luz.  

Não é, no entanto, pela condição simbionte que ata o homem ao bárbaro e o bárbaro ao homem, que devemos nos entregar a um estado de dormência e laissez-faire. Ao contrário, toda e qualquer tentativa de se normalizar atos cometidos por bárbaros devem ser fortemente repudiada por aqueles que não perderam a ternura nem se deixaram embrutecer, uma vez que a  civilização não pode comungar com os bárbaros que estupram, opõem-se às campanhas de vacinação, destilam ódio, defendem torturadores e comemoram a morte. Para tanto, observemos Edgar Morin (2009), quando diz: “Nada é irreversível, e as condições democráticas humanistas devem regenerar-se em permanência, caso contrário elas se degeneram. A democracia precisa recriar-se em permanência. Pensar a barbárie é contribuir para a regeneração do humanismo. É, portanto, a ela resistir”. Infelizmente, caro leitor, o pior ainda está por vir. Resistamos à barbárie!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email