"É não funcionar para funcionar"

www.brasil247.com - Protesto após desaparecimento de Bruno e Dom
Protesto após desaparecimento de Bruno e Dom (Foto: Reuters/Ueslei Marcelino)


A frase/título de este artigo não é minha. Ela foi dita pelo indigenista Bruno Pereira; funcionário (licenciado) da Funai, Bruno concedeu uma entrevista à Folha no dia 22 de abril, e agora após sua morte por assassinato: o jornal soltou o documento na atmosfera das redes.

Um órgão que existe desde 1967 para proteger os indígenas, parece ter assumido uma postura neocolonialista, veja as palavras do Bruno: “A galera ali [Funai] está preocupante. Tem uns ali que se corromperam e estão fazendo um jogo muito perigoso de escolher o que deve ser entregue para manter os cargos”.

 Precioso saber que ainda existem pessoas comprometidas com a ética, com à idoneidade e com à vida. Ao longo da conversa, que ocorreu por telefone, o funcionário concursado da Fundação Nacional do Índio, que fora coordenador dos índios isolados, no órgão, repetiu: "O presidente [Jair Bolsonaro] não demarcou um centímetro como ele prometeu.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A morte do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo Pereira em uma região rica em todos os sentidos  expressa o quão pobre é o pensamento dos detentores de poder executivo neste país desenhado em 2018. Bruno pede à Folha de São Paulo que não publique suas declarações a respeito da Funai ao longo da conversa, por orientação de seus advogados. E finaliza dizendo: “É a administração do caos. Não sei não [suspiro]. Difícil, cansativo, perigoso. Vamos simbora”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 Sim Bruno vamos “simbora” apagar o rascunho do ódio instituído aqui há 522 anos. Vamos pintar um quadro novo, e sem vendilhões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email