Em 15 de maio, um dia para fazer História

"Numa nação dispersa pela atuação devastadora do governo Bolsonaro, o protesto de 15 de maio  pode abrir uma nova perspectiva para o país," escreve Paulo Moreira Leite, articulista do 247."Todos os sinais indicam que mobilizações gigantescas estão em curso nas principais cidades brasileiras, em repúdio a uma política deliberada de extermínio do ensino público do país".  

Em 15 de maio, um dia para fazer História
Em 15 de maio, um dia para fazer História (Foto: CUT)

Por Paulo Moreira Leite para o Jornalistas pela Democracia - Todos os sinais indicam que é possível prever que uma massa imensa de brasileiros e brasileiras irá às ruas, neste 15 de maio, para mostrar sua indignação diante do corte nas verbas destinadas as universidades e institutos federais de ensino, anunciadas de modo irresponsável e vingativo por Bolsonaro-Weintraub.

Em São Paulo, os protestos envolvem a grande massa de estudantes e professores de todos os níveis de ensino e têm apoio formal das reitorias das universidades públicas. Alunos de instituições privadas também convocam a paralisação, apoiada  pelas entidades de estudantes, sindicatos de professores de todos os níveis de ensino e dez centrais sindicais -- unidas pela primeira vez em décadas.

Na Universidade Federal de Minas Gerais, só uma plenária para preparar os protestos reuniu 3 500 estudantes -- deixando antecipar o que se pode esperar nesta data. 

Em Niterói, os preparativos na Universidade Federal Fluminense envolveram entre 10 000 e 15 000 alunos alunos, conforme a Folha de S. Paulo  -- isso quer dizer que 1 em cada 4  alunos matriculados se engajaram nos preparativos.

Animados por uma alegre trilha sonora disponível nas redes, com Chico Buarque, Zélia Duncan, Arnaldo Antunes, Paulo Miklos e tantos outros, sob medida para ser ouvida nos pontos de concentração, os protestos de 15 de maio nascem com vocação para fazer história.

Além dos atos públicos, em várias cidades serão organizadas aulas públicas, onde a população pode debater os motivos da paralisação -- e outros temas atuais, como a reforma da Previdência. 

Quatro meses depois da posse de Bolsonaro, os protestos constituem a primeira grande manifestação organizada contra um governo que tem ameaçado o país com projetos irresponsáveis do ponto de vista da democracia, trágicos no plano econômico e temerários na esfera social.

Incapaz de responder a qualquer problema importante, a política econômica do governo Bolsonaro-Paulo Guedes é definida como suicida por economistas insuspeitos da mais leve simpatia pelos governos Lula-Dilma.

Sua política externa é marcada por uma vergonhosa subordinação aos interesses do império norte-americano, num grau que recorda o período histórico anterior à soberania das nações e à constituição dos Estados Nacionais.

Sua visão de sociedade pode ser resumida por um projeto de reforma da Previdência que pretende entregar o destino de nossos velhinhos e velhinhas, protegidos por um embrião de Estado de bem-estar social, às roletas do cassino financeiro que administra o capitalismo mundial. 

Neste ambiente de escombro político, tragédia econômica e flagelo social, o programa de Jair Bolsonaro e seu segundo ministro da Educação em três meses consegue mostrar-se particularmente ruinoso.

Num país que por vários séculos foi proibido pelos colonizadores de ter uma universidade, sua orientação, tosca e improvisada, não passa de uma deliberada guerra de extermínio conduzida por um guru sem curso superior e falsa erudição, mal disfarçados por uma obscenidade permanente.   

Aqui, projetos destrutivos se misturam a demonstrações escancaradas de truculência e ignorância sobre a função real das universidades públicas no desenvolvimento do país. Sua receita combina o desprezo pela formação científica da juventude a um só esforço permanente pela supressão da liberdade de mestres e estudantes. 

Numa nação ainda dispersa e ainda desorientada após uma derrota devastadora na eleição presidencial, 15 de maio é o dia do país caminhar para um novo ponto de encontro e abrir outra perspectiva para o país.  

 Alguma dúvida?

Conheça a TV 247

Mais de Blog

O histerismo ideológico do clã Jair Messias e seus seguidores
Ariovaldo Ramos

Depressa!

Se houvesse necessidade, frente a qualquer inimigo externo, Deus levantava um ou uma líder, chamado de juiz ou de juíza, que comandava o povo contra o invasor e, assim, protegia o território e o...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247