Em acordão, Cunha renuncia à Câmara para ficar com mandato e mandar em Temer

A renúncia à presidência da Câmara é parte da estratégica alinhavada junto com seu parceiro de golpe Michel Temer (PMDB), com quem Cunha esteve reunido em segredo há duas semanas

O vice-presidente Michel Temer e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, na solenidade de posse do novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin (Valter Campanato/Agência Brasil)
O vice-presidente Michel Temer e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, na solenidade de posse do novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin (Valter Campanato/Agência Brasil) (Foto: Esmael Morais)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB) renunciou à presidência da Câmara nesta quinta (7).

No entanto, Cunha ainda lutará pelo mandato na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O colegiado é presidido por seu parceiro Osmar Serrarglio (PMDB-PR).

A renúncia à presidência da Câmara é parte da estratégica alinhavada junto com seu parceiro de golpe Michel Temer (PMDB), com quem Cunha esteve reunido em segredo há duas semanas.

O presidente interino Waldir Maranhão (PP-MA), aliado do antecessor, deverá declarar vacância no cargo e convocar nova eleição para a Câmara.

Eduardo Cunha é réu em ações no Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção e propina na Petrobras (Operação Lava Jato). O parlamentar afastado também é acusado de manter contas secretas na Suíça.

Enfim, houve um grande acordão para tentar salvar Cunha da cassação em plenário.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247