Em crise de hegemonia, militares ameaçam a democracia

www.brasil247.com -
(Foto: Pedro França/Agência Senado/Fotos Públicas)


O governo Bolsonaro é um projeto gestado, parido e nutrido pelos comandantes das forças armadas. A presença de Oficiais nos cargos do governo mostra o apoio escancarado das fileiras castrenses ao projeto de morte bolsonarista que queimou nossas florestas, entregou nossas riquezas e já vitimou milhões entre mortos, miseráveis e sequelados pela peste. Os Oficiais corruptos do governo lucraram com a tragédia da pandemia, a CPI do Genocídio tem revelado isso, como no caso do escândalo das vacinas.

Para dissimular, cria-se um clima de tensão. A imprensa divulga informações e deixa transparecer uma ideia de “divisão” nas fileiras militares, narrativa orientada pelos próprios Oficiais “vazadores”. No episódio dos tanques em Brasília, o presidente da República aparece como o “tresloucado” que utiliza as forças armadas para tentar dar um golpe, passando uma ideia de subordinação militar inexistente. Bolsonaro é marmita de milico, fantoche dos generais e comandantes, estes sim, os verdadeiros responsáveis pela atual destruição do país.

Em crise de hegemonia por conta do desgaste provocado pela tragédia da pandemia e o avanço do “centrão” nos cargos de mando, os militares encenam o delírio belicoso do apavorado do Alvorada. Para contornar o desgaste junto à opinião pública, manterem seus benefícios econômicos e políticos – salários, pensões, orçamentos e cargos de poder – as forças armadas tensionam permanentemente a democracia brasileira, criando situações e temeridades golpistas para, em seguida, apresentarem-se como mediadoras e portadoras da solução para os problemas que elas mesmas criaram. Não se espante se algum general, na sequência do passeio dos blindados em Brasília, sair defendendo a democracia e as instituições. Assim encenam os milicos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As esquerdas precisam utilizar este propício momento político em que a correlação de forças favorece o campo popular, devido às massivas manifestações, para dar conhecimento às camadas mais amplas da sociedade a respeito do parasitismo das forças armadas, principalmente do Exército, sobre o Estado e, consequentemente, sobre a sociedade brasileira. É apontar o dedo e evidenciar que o rei está nu: as forças armadas não servem ao seu propósito de proteger nosso território contra os inimigos externos. Então, para que elas servem? A quem elas servem?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Seus atuais comandantes, ingressantes nas escolas militares durante os tenebrosos anos 1970 - a década mais violenta da Ditadura Militar -, foram (de)formados para ver a população e as esquerdas como inimigas. Por não terem inteligência, imaginação e autonomia de produção bélica - as armas utilizadas chegam de outros países já obsoletas – os militares praticam um automático alinhamento geopolítico e militar com os interesses dos Estados Unidos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Devido a deformação congênita, apontada pelo professor Manoel Domingos, de se comportarem como polícia contra o “inimigo interno” (leia-se: a população civil), as forças armadas são traidoras do povo; por aliarem-se aos piores interesses estrangeiros e permitirem o saque das riquezas do Estado brasileiro, também traem a pátria. Aos seus comandantes, caberia lembrar a lei militar, em vigor no Brasil, que prevê para os crimes de traição, genocídio e contra a humanidade - em situação de guerra (como a que vivemos contra o coronavírus, por exemplo) -, a condenação máxima com a pena de morte. Executada por fuzilamento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email