Entrega ao Exército resolveria venda de Petrobrás e Eletrobrás

A controvérsia sobre a privatização da Petrobrás e da Eletrobrás poderia ser facilmente resolvida mediante a colocação do controle das duas empresas sob a autoridade do Exército brasileiro

Petrobrás anuncia revisão de periodicidade de aumento de preços dos combustíveis
Petrobrás anuncia revisão de periodicidade de aumento de preços dos combustíveis (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

A controvérsia sobre a privatização da Petrobrás e da Eletrobrás poderia ser facilmente resolvida mediante a colocação do controle das duas empresas sob a autoridade do Exército brasileiro. Com isso seria eliminada a questão relativa ao papel estratégico delas na economia e na sociedade e ao risco de caírem sob o comando de capitais estrangeiros, descolados dos interesses nacionais. Por fim, a Nação não perderia o controle sobre essas duas jóias da coroa.

Paulo Guedes, que agora tem o comando absoluto sobre o processo de privatização de 17 estatais, inclusive das maiores jamais listadas para venda ao estrangeiro, tem larga informação no campo de privatização feita por governo em favor do Exército. Isso aconteceu no Chile, onde o principal feitor da privatização brasileira aprendeu, entre uma seção de tortura e outra do regime Pinochet, abrir mão da indústria de cobre em favor do Exército.   Gosto da ideia não por seu efeito eventualmente provocador, mas por uma convicção genuína de que o Exército poderia tocar com eficiência a gestão das duas empresas. Nos Estados Unidos, várias empresas do setor energético estão nas mãos do Exército, inclusive a icônica Tenessee Valey Autority. Lá ninguém fala em privatização. Com as empresas em mãos militares, desapareceriam a intrigaria privada e a  patifaria comum nas vendas de controle que geram para o Estado não apenas perdas financeiras, mas sobretudo perdas estratégicas.
 

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247