Esquerda precisa passar longe de apoiar candidato golpista

A hora é de sinalizar para a sociedade nossas diferenças e, mesmo que com uma candidatura com pouca capacidade de ganhar, reafirmar nossa plataforma política, de defesa das conquistas da Constituição de 1988, de defesa do patrimônio nacional, de defesa dos direitos humanos e do fim das opressões de gênero, étnica/racial e de orientação sexual e identidade de gênero

O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi eleito para presidente da comissão especial da Reforma Política durante reunião de instalação da comissão (Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi eleito para presidente da comissão especial da Reforma Política durante reunião de instalação da comissão (Luis Macedo/Câmara dos Deputados) (Foto: Gabriel Medina)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Essa semana tem eleição da presidência da Câmara dos Deputados.

Espero sinceramente que a tática da esquerda passe longe de apoiar um candidato golpista, como chegou a ser ventilada a possibilidade de apoio ao Rodrigo Maia, do DEM.

A hora é de sinalizar para a sociedade nossas diferenças e, mesmo que com uma candidatura com pouca capacidade de ganhar, reafirmar nossa plataforma política, de defesa das conquistas da Constituição de 1988, de defesa do patrimônio nacional, de defesa dos direitos humanos e do fim das opressões de gênero, étnica/racial e de orientação sexual e identidade de gênero.

A crise do sistema político é profunda. As instituições passam por um descrédito sem precedentes. O golpe escancarou quem são os "representantes" no parlamento: homens milionários, brancos, heterossexuais e comprometidos com interesses empresariais que os financiaram, tudo menos a defesa do povo brasileiro.

Neste momento, é preciso fazer um balanço dos nossos erros. Abandono de princípios e bandeiras caros da esquerda a favor da governabilidade, um acordo feito sempre por cima sem a necessária mobilização social para buscar avançar em reformas estruturais.

Nosso inverno será longo. Estamos isolados e o programa neoliberal do Presidente Golpista se afirma com apoio da grande mídia. Vimos que o combate contra a corrupção foi uma farsa para tirar a Dilma do poder e acabar com o PT. Mas, não podemos menosprezar os desvios éticos cometidos por pessoas do nosso campo, que muito colaboraram para nossa criminalização.

Agora é a hora de encarar nossas dificuldades com outra postura. É hora de nos reorganizar com um novo programa econômico e social que aponte o futuro. Reconstruir nossas pontes com as periferias e movimentos sociais, renovar nossa linguagem e formas de fazer política para dialogar com as novas gerações.

A esquerda precisa revisitar seus valores! É necessário reivindicarmos a simplicidade nos modos de vida e o respeito ao meio ambiente. Uma esquerda mais libertária, que respeite todas as formas de amar e conectada com as lutas em defesa do aborto, na descriminalização do uso de drogas, no fim do genocídio da juventude negra e em defesa do casamento LGBT.

Podemos perder na Câmara dos Deputados, mas ganhar muito na sociedade e na possibilidade de construir uma nova esquerda, capaz de enfrentar os tempos sombrios que vivemos no Brasil!

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247