Eu não sou Cunha. E você?

Deputado Durval Ângelo (PT), líder do governo na Assembleia de Minas Gerais, avalia, sobre os protestos contra o governo Dilma do último domingo, que "depois de tanto barulho na mídia, na internet, nas janelas, varandas e ruas, o 'grande ato' decepcionou"; "Sem liderança e sem propostas, o movimento segue a bater panelas e cabeças, aberto ao surgimento e ressurgimento de novos e antigos 'astros'", diz ele, em artigo; "Vem-me à lembrança a faixa afixada no portão do Palácio da Liberdade, a qual também deve ter chamado a atenção do ex-governador Aécio Neves da Cunha. Estampava os dizeres: 'Não adianta calar e isolar o Cunha. Somos milhões de Cunhas'. Será? Aécio é, até pelo nome. Eu não sou Cunha! E você, leitor?"

www.brasil247.com - Deputado Durval Ângelo (PT), líder do governo na Assembleia de Minas Gerais, avalia, sobre os protestos contra o governo Dilma do último domingo, que "depois de tanto barulho na mídia, na internet, nas janelas, varandas e ruas, o 'grande ato' decepcionou"; "Sem liderança e sem propostas, o movimento segue a bater panelas e cabeças, aberto ao surgimento e ressurgimento de novos e antigos 'astros'", diz ele, em artigo; "Vem-me à lembrança a faixa afixada no portão do Palácio da Liberdade, a qual também deve ter chamado a atenção do ex-governador Aécio Neves da Cunha. Estampava os dizeres: 'Não adianta calar e isolar o Cunha. Somos milhões de Cunhas'. Será? Aécio é, até pelo nome. Eu não sou Cunha! E você, leitor?"
Deputado Durval Ângelo (PT), líder do governo na Assembleia de Minas Gerais, avalia, sobre os protestos contra o governo Dilma do último domingo, que "depois de tanto barulho na mídia, na internet, nas janelas, varandas e ruas, o 'grande ato' decepcionou"; "Sem liderança e sem propostas, o movimento segue a bater panelas e cabeças, aberto ao surgimento e ressurgimento de novos e antigos 'astros'", diz ele, em artigo; "Vem-me à lembrança a faixa afixada no portão do Palácio da Liberdade, a qual também deve ter chamado a atenção do ex-governador Aécio Neves da Cunha. Estampava os dizeres: 'Não adianta calar e isolar o Cunha. Somos milhões de Cunhas'. Será? Aécio é, até pelo nome. Eu não sou Cunha! E você, leitor?" (Foto: Durval Ângelo)


Que leituras podemos fazer da manifestação de domingo? A mais evidente é a de que "a montanha pariu um rato". Depois de tanto barulho na mídia, na internet, nas janelas, varandas e ruas, o "grande ato" decepcionou. Mesmo com a boa vontade da polícia e de setores da imprensa em "inflacionar" o número de participantes, é incontestável que o movimento, literalmente, encolheu. Enquanto em março foram cerca de 1,5 milhão de manifestantes em todo o país, no último dia 16, chegaram a, no máximo, 750 mil.

O recuo revela diferentes fatores. O principal deles é a inabilidade do "candidato derrotado salvador da pátria", Aécio Neves, em articular e aglutinar a oposição. Sem liderança e sem propostas, o movimento segue a bater panelas e cabeças, aberto ao surgimento e ressurgimento de novos e antigos "astros". Personagens como Eduardo Cunha e Jair Bolsonaro jogam a Constituição no lixo, invocam o fantasma do golpe, ganham minutos de fama e incentivam uma turba de raivosos a protagonizar cenas lamentáveis: um gari acuado por manifestantes, em evidente discriminação aos pobres, ou uma senhorinha inofensiva, empunhando um cartaz com os dizeres "Por que não mataram todos em 1964?".

Não foi à toa que setores da oposição mais intelectualizados e afeitos ao jogo político pularam fora do barco, cientes dos riscos para a estabilidade do país. Levaram junto a classe média mais esclarecida. Também tiraram o time de campo os representantes do capital, diante do sinal amarelo, com a diminuição da nota do Brasil como bom pagador, e com eles, a grande mídia, inclusive a "vênus platinada", que aos poucos - para não ficar feio! - vai retirando seu apoio.

A manifestação de Belo Horizonte pode ser considerada um símbolo do recuo. Com minguados 6 mil "amarelinhos", aquele que seria o palanque do "grande líder" tornou-se palco de sua derrota. Aécio Neves, que nunca havia dado as caras nos atos, escolheu para a estreia um local onde o movimento estava desarticulado, tanto devido à boa atuação do Governo Pimentel, como pela ausência de liderança. A decepção ficou patente no discurso um tanto quanto transtornado do ex-governador tucano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O horizonte ainda é nebuloso. Como afirmou o secretário-geral da CNBB, d. Leonardo Steiner, as manifestações devem ser interpretadas "como uma exigência de mudança no governo, em especial de uma reforma política urgente e do combate à corrupção, com respeito à Constituição". Mas o refluxo no movimento demonstra o início de um novo ciclo, que se contrapõe ao ódio, à intolerância e à tese do quanto pior melhor. É nesse contexto que se insere o ato deste 20 de agosto, organizado pelas esquerdas e pelos movimentos sociais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Vem-me à lembrança a faixa afixada no portão do Palácio da Liberdade, a qual também deve ter chamado a atenção do ex-governador Aécio Neves da Cunha. Estampava os dizeres: "Não adianta calar e isolar o Cunha. Somos milhões de Cunhas." Será? Aécio é, até pelo nome. Eu não sou Cunha! E você, leitor?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email