Facebook: Bolsonaro se abraça a gabinete do ódio

Bolsonaro desconheceu que a retirada dos perfis do ar foi uma ação global do Facebook e, de forma precipitada, colou seu destino ao dos acusados de usar recursos públicos na propagação de notícias falsas e campanhas de ódio.

Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada, em Brasília
Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada, em Brasília (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Helena Chagas, para o Jornalistas pela Democracia  

Nunca antes nesse país um presidente da República se comprometeu tanto com o erro – ou, se preferem, com equívoco, delito ou algum sinônimo se não quisermos usar o termo crime antes de concluídas as investigações. Mas Jair Bolsonaro se abraçou a seu gabinete do ódio de forma irreversível ao dizer que a ação global do Facebook que tirou do ar 73 perfis de assessores e aliados que propagavam fake news era uma perseguição a seu governo. 

Diferentemente do que fazem os governantes quando se deparam com escândalos na soleira da porta, Bolsonaro sequer tentou passar a ideia de que não tinha conhecimento do assunto, ou que também estava mandando apurar se as notícias falsas e agressões a seus adversários partiam de seu próprio gabinete no Planalto. Não. “Sobrou pra quem me apoia”, disse ele, invocando ainda o princípio da “liberdade de imprensa” a seu favor. 

Bolsonaro desconheceu que a retirada dos perfis do ar foi uma ação global do Facebook e, de forma precipitada, colou seu destino ao dos acusados de usar recursos públicos na propagação de notícias falsas e campanhas de ódio. A legislação brasileira ainda tem lacunas nesse assunto, mas, se confirmados esses atos, seus autores — como o assessor Tercio Arnaud Tomaz — serão criminalmente responsabilizados. E o presidente da República terá que explicar que não era seu cúmplice, ou que não era o chefe da associação criminosa por ter o domínio do fato. No mínimo, configura crime de responsabilidade.

Por muito menos que isso, como as tais “pedaladas fiscais”, já se cassou o mandato de uma presidente da República. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email