Fascismo e Bolsonarismo não são fenômenos passageiros

As eleições que ocorrerão daqui a um ano no Brasil poderão até mesmo desalojar Bolsonaro da presidência da república, mas não deslocar da nossa história a presença do bolsonarismo

www.brasil247.com -
(Foto: Alan Santos/PR)


O encontro entre o presidente brasileiro Jair Bolsonaro e o líder da extrema-direita italiana Matteo Salvini, neste 2 de novembro, no cemitério de Pistoia, onde estão enterrados os corpos dos pracinhas da Força Expedicionária Brasileira mortos na Segunda Guerra Mundial, fez-me recordar um elemento fundamental das reflexões dos comunistas italianos sobre a natureza do fascismo, a saber: o fato deste último não poder ser considerado um fenômeno passageiro, de curta duração.

Alguns dias após a Libertação da Itália da ocupação nazista e do regime fascista, em 25 de abril de 1945, o secretário-geral do Partido Comunista Italiano, Palmiro Togliatti, tratou de tornar pública a existência dos Cadernos e das Cartas escritas por Antonio Gramsci nos doze anos em que esteve preso nos cárceres fascistas, entre 1926 e 1937. Então, Togliatti procurou indicar que “a ideia central da ação política de Gramsci” estaria voltada à “criação de um grande bloco de forças nacionais”.

Dentro do mesmo contexto, ao invés de defender uma insurreição comunista na Itália, que pudesse vir a repetir o massacre sofrido pelos comunistas gregos quando seguiram tal caminho, Togliatti saiu em defesa da implantação de um regime de “democracia progressiva”, um regime que assumisse a defesa das liberdades populares e a responsabilidade de destruir as bases materiais do fascismo a fim de que este nunca mais pudesse ser restaurado no país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 A grosso modo, tal linha política seria seguida por aquele que foi o maior partido comunista do mundo ocidental até a sua dissolução em 1991, em razão do fato de a maioria dos seus militantes e dirigentes terem ciência de que o fascismo não apenas tinha bases materiais, mas também estava entranhado na cultura política italiana.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 Pois bem, cada vez mais me dou conta de que o bolsonarismo, enquanto modalidade brasileira do fascismo, possui sólidas bases materiais (o nosso passado escravista colonial reatualizado permanentemente pelos processos de modernização conservadora e sua estrutura autocrático-burguesa) e uma cultura política autoritária voltada à preservação das hierarquias sociais e raciais a qualquer preço.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Isso implica a defesa da ideia de que, tal qual o fascismo italiano, o bolsonarismo brasileiro não pode ser analisado como um acontecimento efêmero, um fenômeno passageiro, inscrito simplesmente na curta duração histórica.

 Ou seja, como já foi dito, o “bolsonarismo antecede o próprio Bolsonaro”, pois que devidamente enraizado nas nossas estruturas sociais e na mentalidade coletiva de parcela não insignificante da população brasileira, nas suas diversas frações de classe.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 Se tal hipótese estiver correta, as eleições que ocorrerão daqui a um ano no Brasil poderão até mesmo desalojar Bolsonaro da presidência da república, mas não deslocar da nossa história a presença do bolsonarismo.

Uma frente de esquerda poderá cumprir a primeira (e importantíssima) tarefa, mas não será capaz de dar o segundo (e fundamental) passo.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email