Fascismo e entreguismo no Brasil

Fascismo não é apenas a extinção da democracia burguesa, mas fundamentalmente a extinção da democracia operária. O fascismo se caracteriza por destruir todas as organizações da classe operária, começando em regra pelas mais moderadas até dar cabo à extrema esquerda

Fascismo não é apenas a extinção da democracia burguesa, mas fundamentalmente a extinção da democracia operária. O fascismo se caracteriza por destruir todas as organizações da classe operária, começando em regra pelas mais moderadas até dar cabo à extrema esquerda
Fascismo não é apenas a extinção da democracia burguesa, mas fundamentalmente a extinção da democracia operária. O fascismo se caracteriza por destruir todas as organizações da classe operária, começando em regra pelas mais moderadas até dar cabo à extrema esquerda (Foto: Leandro Monerato)

O golpismo não inaugurou o domínio dos monopólios estrangeiros sobre o país. Este domínio é constituinte mesmo do Brasil.

Claramente, comparando com o governo de frente popular com PT na cabeça, nota-se uma evolução quantitativa dessa exploração.

Antes, o Brasil dava mais aos banqueiros, bastante à burguesa nacional, e bem pouco para os mais pobres. Agora, o golpismo está retirando tudo o que vai pros pobres, e atacando o que resta da indústria nacional. Em aliança com o latifúndio, personalizado em Caiado, o imperialismo está jogando o Brasil séculos para trás. A transferência de recursos em marcha pelo golpismo supera qualquer período anterior.

Contudo, esse domínio quantitativamente maior está transformando a qualidade do regime político brasileiro. O primeiro impacto da retirada do PT do governo foi como a queda de uma fachada de um prédio antigo. Sem nenhuma grande alteração jurídica estabeleceu-se uma ditadura, vimos que no Brasil nunca houve nada parecido com estado de direito.

Mas o ataque imperialista é de tal grau que isso não será suficiente. O estado de exceção normal que vigora no Brasil não dará conta.

O golpismo levará, se a classe operária não dete-los, inevitavelmente ao fascismo, que não é apenas uma nova etapa do estado burguês na fase do capitalismo monopolista em que o executivo se eleva acima e age de forma ditatorial. O fascismo não é apenas a extinção da democracia burguesa, mas fundamentalmente a extinção da democracia operária. O fascismo se caracteriza por destruir todas as organizações da classe operária, começando em regra pelas mais moderadas até dar cabo à extrema esquerda.

A derrubada do PT, a prisão de Lula é o começo de um processo em marcha. Estamos diante de uma transformação profunda.
O golpismo iniciou a maior transferência de recursos nacionais para o imperialismo nunca antes vista nesse país. O fascismo no Brasil não é, como não poderia ser, nacionalista.

Além de privatizar tudo o que é estatal, estão derrubando um a um os setores nacionais da economia. Essa devastação levará o país a uma situação calamitosa com fortes probabilidades revolucionárias. O que impõe métodos abertamente contra-revolucionários em toda a linha.

A vastidão do ataque econômico que estamos assistindo aponta para transformações políticas inauditas no Brasil. Como disse um conhecido: "se você não conseguia imaginar a gênese do nazismo, aproveita agora".

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247