Fazendo história

É preciso conscientizar a população, cada vez mais, sobre o que está sendo gestado pelo governo sem votos, sustentado pela elite financeira, empresas transnacionais, elite empresarial brasileira e seguradoras privadas. Agora, o que está em jogo é o tempo

É preciso conscientizar a população, cada vez mais, sobre o que está sendo gestado pelo governo sem votos, sustentado pela elite financeira, empresas transnacionais, elite empresarial brasileira e seguradoras privadas. Agora, o que está em jogo é o tempo
É preciso conscientizar a população, cada vez mais, sobre o que está sendo gestado pelo governo sem votos, sustentado pela elite financeira, empresas transnacionais, elite empresarial brasileira e seguradoras privadas. Agora, o que está em jogo é o tempo (Foto: Jandira Feghali)

Impossível começar a semana sem registrar três episódios que vão modificando a consciências e, portanto, a história do nosso país. Dia 8 de março, milhares de vozes femininas ecoaram pelo Brasil seus sentimentos, demandas e convicções. Bandeiras de vários tons unificam-se nas pautas dos direitos civis, sexuais, reprodutivos, de paz e, em uníssono, gritaram: "NENHUMA A MENOS" e "NENHUM DIREITO A MENOS".

A reforma da Previdência tem rejeição unânime e tornou-se a luta de unidade entre todos os coletivos e entidades.

No dia 15 de março, mais de 1 milhão de pessoas, de todas as tribos e de todo o país tomou a Esplanada dos Ministérios, fazendo tremer o poder ilegítimo que insiste em desconhecer e afrontar a realidade dos brasileiros e brasileiras. Novamente, a rejeição à reforma da Previdência unificou o nosso povo, pois já está claro que a proposta exclui grande parte dos trabalhadores do acesso à aposentadoria, principalmente os de menor renda. A PEC 287/2016 expressa uma perigosa ruptura com as conquistas da Constituição de 1988 e as paralisações de vários setores da sociedade ocorreram representando uma primeira contraofensiva à reforma.

Por último, dia 19 de março, Lula e Dilma são recebidos por uma multidão na cidade de Monteiro, na Paraíba, como reconhecimento popular aos governos autores da obra de transposição do Rio São Francisco. O dia demarcou de forma indelével a diferença com da visita de Michel Temer e seus aliados tucanos, todos em meio a vaias.

Esses três momentos marcam uma virada na consciência do povo brasileiro, que depois de tanta violência à democracia e notícias manipuladas pela Grande Mídia, a sociedade começa a se dar conta do erro e do desastre causado pelo impeachment.

A partir daqui, não podemos recuar. É preciso conscientizar a população, cada vez mais, sobre o que está sendo gestado pelo governo sem votos, sustentado pela elite financeira, empresas transnacionais, elite empresarial brasileira e seguradoras privadas. A limitação de gastos sociais e a liberação de gastos financeiros, a supressão de direitos, e o estabelecimento de um modelo econômico que arrastar o país e seu povo para a mais absoluta submissão ao interesse concentrado de poucos.

Agora, o que está em jogo é o tempo. Temer corre contra o relógio para aprovar suas reformas, previdenciária e trabalhista, cumprindo sua agenda suja contra os trabalhadores e contra o Brasil. Por baixo dos panos e sem alarde midiático, executa um programa de desinvestimento em setores fundamentais e estratégicos da economia brasileira.

É hora de luta para resistir a esta agenda desnacionalizante e regressiva, mobilizar o povo, chegar em todos os cantos do nosso país e atrair cada vez mais gente. Levantar o Brasil pelo Brasil e por seu povo. É hora também de construir um projeto de nação democrática e desenvolvida, que qualifique a vida da nossa gente e nos recoloque no avanço e de superação das desigualdades. É hora da retomada democrática, do equilíbrio de poderes e voto direto, onde quem decide é a soberania do voto popular.

No dia 31 teremos a chance de reforçar a importância da democracia brasileira, com manifestações a favor da liberdade de expressão e da diversidade brasileira. Vamos somando e aumentando nossa potência!

FORA TEMER E DIRETAS JÁ!

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Jair Bolsonaro e a menina Agatha
Hayle Gadelha

Tiraram o sorriso do Brasil

"O neofascismo implantado pelo bolsonarismo tem a cor do terror", diz o colunista Hayle Gadelha, após a menina Ághata, de 8 anos, ser morta pela polícia do Rio. "Ághata foi a quinta criança...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247