Fim da linha para Eduardo Cunha?

"O presidente da Câmara ainda não foi definitivamente contido, mas isso poderá acontecer em breve, uma vez que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, estuda pedir seu afastamento do cargo, sob a alegação de que a presidência da Câmara tem sido utilizada para travar investigações e para protegê-lo", diz Leonardo Attuch, editor do 247; ele afirma ainda que tanto o governo como a oposição "evitam confrontá-lo, sem se dar conta de que o naufrágio parece ser inevitável"

Bras�lia - Entrevista com o presidente da C�mara dos Deputados Eduardo Cunha, que fala sobre o Impeachment da presidenta Dilma (Antonio Cruz/Ag�ncia Brasil)
Bras�lia - Entrevista com o presidente da C�mara dos Deputados Eduardo Cunha, que fala sobre o Impeachment da presidenta Dilma (Antonio Cruz/Ag�ncia Brasil) (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), sofreu duas importantes derrotas nos últimos dias. Perdeu pela primeira vez quando pediu sigilo no processo sobre suas contas secretas na Suíça e, de novo, quando o Supremo Tribunal Federal requereu às autoridades helvéticas o bloqueio de R$ 9,6 milhões, alegando que a origem dos recursos é criminosa. 

Ainda não foi definitivamente contido, mas isso poderá acontecer em breve, uma vez que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, estuda pedir seu afastamento do cargo, sob a alegação de que a presidência da Câmara tem sido utilizada para travar investigações e para protegê-lo. Um pedido semelhante foi apresentado pelo vice-líder do governo, deputado Silvio Costa (PTB-PE).

Enquanto isso não ocorrer, se é que de fato ocorrerá, Cunha terá razão ao dizer que preserva as prerrogativas do cargo. Ou seja: poderá, sim, usar sua caneta para permitir a abertura de um eventual pedido de impedimento contra a presidente Dilma Rousseff, mesmo que sua assinatura possa contaminar, simbolicamente, o processo – chega a ser surreal um impeachment liderado por um político investigado e com quase R$ 10 milhões bloqueados na Suíça.

Cunha atravessa uma tempestade da qual dificilmente sobreviverá. É o capitão de um navio que já faz água por todos os lados. Ainda assim, nos seus últimos dias, ele  tem acenado ao governo e a à oposição. Numa quarta-feira, recebe com pompa representantes da oposição, que lhe entregam o novo pedido de afastamento. Na quinta, afirma que as ‘pedaladas’ podem não ser suficientes para um eventual impeachment. Os dois lados evitam confrontá-lo, sem se dar conta de que o naufrágio parece ser inevitável.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email