Frente única da esquerda nas ruas é o caminho para derrotar Bolsonaro e os generais

"A frente única da esquerda pelo Fora Bolsonaro é o instrumento decisivo para deter as maquinações golpistas do governo da extrema direita, que, cada vez mais, diante da rejeição crescente, tensiona com ameaças golpistas e quer instaurar um período termidoriano de perseguição e intimidação dos opositores", escreve o colunista Milton Alves

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

As numerosas manifestações ocorridas no dia 29 de maio apontaram para um período de retomada das mobilizações populares, o que superou as expectativas de diversos setores políticos no campo da esquerda. Segundo o balanço dos organizadores, os atos reuniram cerca de meio milhão de pessoas em mais de 200 cidades do país.

A frente única constituída para a convocação das manifestações foi um dado essencial que assegurou a realização da jornada de luta pelo Fora Bolsonaro, por vacinação e pela volta do auxílio emergencial de 600 reais. O fator principal do sucesso do 29M foi a adesão aos atos dos milhares de brasileiros revoltados com o governo da extrema direita, mesmo num período de forte incidência da pandemia de Covid-19. Ou seja, o 29M indicou uma clara tendência de retomada das ruas e revelou a disposição combativa de amplas camadas da população.

A emergência da luta popular é o fator que pode acelerar a decomposição do governo de Bolsonaro e dos generais, que afundou o país na miséria, na pobreza, no desemprego massivo e na marcha batida do genocídio de quase 500 mil brasileiros. Enquanto isso, passa no Congresso Nacional a “boiada” das privatizações, do desmonte ambiental e dos serviços públicos – demonstrando que a presença de Bolsonaro no governo é tão ou mais letal que o coronavírus.

PUBLICIDADE

A volta às ruas no Brasil segue o mesmo impulso das mobilizações em curso nos demais países da América Latina contra a devastação provocada pelo neoliberalismo: A rebeldia popular na Colômbia; o processo constituinte no Chile; a resistência na Bolívia e a vitória eleitoral de Pedro Castillo no Peru.

Um processo que segue o ritmo e a tradição de luta de cada povo, mas que rejeita em seu conjunto o modelo de exclusão social e da concentração oligárquica do poder nas mãos das frações burguesas financeirizadas e agroexportadoras – aliadas internas em cada país do imperialismo.

Unidade da esquerda em cima e embaixo

PUBLICIDADE

A largada das manifestações de rua contra o governo neoliberal e autoritário de Bolsonaro foi forjada pela ação combinada do ativismo da militância na base dos movimentos sociais e dos partidos de esquerda e da percepção de camadas de dirigentes políticos de que era o momento de superar o imobilismo da palavra de ordem de “fique em casa”.

A unidade das organizações agrupadas nas frentes Brasil Popular, Povo Sem Medo e os partidos da oposição de esquerda – PT, PSOL, PCdoB, PCB, UP, PCO – garantiram o êxito da jornada de luta do 29M. Neste sentido, é necessário reforçar a unidade conquistada, preservar os fóruns e as plenárias unitárias em cada cidade, acumulando forças na construção de um bloco político e social de esquerda para disputar os rumos do país – aqui e agora.

A frente única abre o caminho para a derrota do governo de Bolsonaro e impulsiona uma saída pela esquerda da crise, isolando ao mesmo tempo os conciliadores da “frente ampla” e o divisionismo infantil de certos segmentos que apostam na imaginária superação do PT.

PUBLICIDADE

A frente única pelo Fora Bolsonaro deve atuar sem vetos e exclusivismos de qualquer tipo, respeitando as diferenças de cada organização de massa e partido, criando mecanismos permanentes de consulta e avançando na direção de uma estrutura permanente de diálogo e concertação unitária – grupos operativos conjuntos, agenda e bandeiras de lutas unificadas.

A frente única da esquerda pelo Fora Bolsonaro é o instrumento decisivo para deter as maquinações golpistas do governo da extrema direita, que, cada vez mais, diante da rejeição crescente, tensiona com ameaças golpistas e quer instaurar um período termidoriano de perseguição e intimidação dos opositores. Além disso, Bolsonaro busca construir uma narrativa para fraudar as eleições de 2022, propondo um duplo sistema de votação com a adoção do chamado “voto impresso”.

Portanto, nas ruas, com unidade, nenhum dia a mais ao governo genocida de Bolsonaro e dos generais. 19 de junho vai ser maior.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email