Game over

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O panorama geral do país é de crescente revolta contra o negacionismo, que é filho do nazifascismo contemporâneo que em face a febre do antipetismo recrudesceu e gerou o bolsonarismo.

A corrente composta por evangélicos que idolatram às armas, coronéis da milícia, militares e outras castas de empresários racistas e machistas: desejam uma guerra civil, caso seu mito/presidente sucumba diante do impeachment.

Miserabilidade é um estágio amplo e general no mundo; mas no Brasil ela se tornou um estigma; um negócio da “China", uma moeda de troca. Reformas e mais reformas contra a população se amontoam nos gabinetes do crime organizado da política. Igualdade é palavrão; esta semana dialogando (com máscara e a 3 metros de distância de um militar reformado de Rondônia (que nem usava a proteção facial), e curiosamente sob o pano de fundo do tradicional PANELAÇO ( na zona sul do Rio de Janeiro) ouvi dele algo surpreendente; após um posicionamento meu a respeito da igualdade: “A igualdade pode ser um veneno", disse ele.

Meus leitores queridos. A militância da ignorância, e a empáfia da desigualdade está enraizada na alma do militarismo; que matou muito. No CONTESTADO, em CANUDOS, na DITADURA de 1964 e até hoje:  tanto no underground como na visibilidade de execuções (à luz do dia) como foi a do músico Evandro Rosa há quase dois anos.

O jogo continua; e os dois jogadores caminham para o game over.

Quem levantará a taça? A morte ou a vida?

As políticas que desejam acabar com o funcionalismo público e consequentemente com o bem estar social de um povo, extinguindo direitos como: paridade salarial, retorno do auxílio emergencial ( mais digno, é claro)  e  outros benefícios geradores de igualdade ( são fases em curso do game).  

Os funcionários públicos do Estado continuam vivendo no "novo/velho" ano de 2021...seus proventos vexatórios e não reajustados há quase um decênio  continuarão a ser depositados somente no décimo dia útil de cada mês: o calendário foi divulgado ontem.

FOME É A PALAVRA DE ORDEM ENTRE MESTRANDOS, POR INCRÍVEL QUE PAREÇA.

Infelizmente estamos a passos lentos do Grand finale de uma partida muito longa de um jogo sujo; que parece de cartas marcadas e viciadas.Talvez precisaremos da ajuda de um justiceiro externo que instale no "país da corrupção" uma nova ordem que encerre de vez o "jogo da morte": através de um boot chamado impeachment, antes que seja muito tarde, e a pilha de corpos comece a aumentar.

#VOLTALULA

#LEIABRAZILEVIREBRASIL

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email