Golpes na América Latina seguem receitas como as de bolo

A colunista Denise Assis, do Jornalistas pela Democracia, explica, com base no livro "Guerras Híbridas", como se dão os golpes na América Latina; o mais recente deles na Bolívia. "Não há como ignorar a eficiência da fórmula. Evo não caiu! Foi caído. Evo não fugiu! Preservou a própria vida e a dos seus compatriotas", escreve

Por Denise Assis, para o Jornalistas pela Democracia

Não é a primeira vez que escrevo sobre o conteúdo do livro “Guerras Híbridas”, de Andrew koribko. E, talvez, não será a última. Isto porque esse livro, para quem vive ao Sul do Equador - uma parte do hemisfério sempre sob vigilância e mira dos intervencionistas - deveria ser o nosso manual de consulta sempre que um abalo político sacudisse o nosso cenário. Desta forma, evitaríamos comentários tais como escreve, hoje, um colunista. De uma forma enxuta, para não dizer reducionista, ele descreve assim, o golpe ocorrido na Bolívia: “Evo Morales caiu – e fugiu".

Não, caro colunista. Tivesse você o trabalho de consultar “Guerras Híbridas”, e constataria que na página 125 está descrito e muito bem descrito, como o golpe foi engendrado por lá. Há uma receita como aquelas que vovó usava para fazer bolos. Se, não, vejamos:

“Uma revolução colorida só pode ser oficialmente iniciada após um ‘acontecimento’.Esse acontecimento deve ser controverso e polarizador (ou ao menos retratado dessa maneira) e liberar toda a energia acumulada do movimento. O movimento manifesta-se fisicamente da maneira mais pública possível. O acontecimento é o ‘chamado a público’ do movimento e o gatilho da revolução colorida".

Para os que até esse trecho não conseguiram estabelecer vínculos com os fatos recentesda Bolívia, aí vão mais argumentos contidos no livro:

“O movimento só é capaz de capitalizar com o acontecimento se houver praticado umacampanha de informação de sucesso.” Eis aí o pulo do gato. Aliar um “acontecimento” a uma campanha bem urdida pela mídia é fundamental, a fim de convencer à população da necessidade de que o golpe aconteça.

Exemplos de “acontecimentos” que podem deflagar a revolução colorida:” fraudeeleitoral; prisão de um líder de oposição; aprovação ou veto de uma lei controversa; sanção do governo contra a oposição ou imposição de lei marcial; declaração do envolvimento ou envolvimento em uma guerra impopular.” Como podem observar, o primeiro item cai como uma luva na situação da Bolívia e, só para não perder a oportunidade de relembrar, a segunda é exatamente a que vivenciamos com a prisão do Lula.

O que importa na descrição acima, segundo o nosso manual “Guerras Híbridas”, é como esses acontecimentos “são percebidos, retratados e narrados para o público em geral. Alegações e não provas, dos itens acima são o que mais importa para criar o catalisador para um acontecimento. Deve-se ter sempre em mente que o movimento pode provocar qualquer desses acontecimentos (ou a falsa percepção de que eles ocorreram)".

Mas para que tudo dê certo, é imprescindível a presença do “povo”, em apoio à revolução colorida. Simpatizantes devem tomar as ruas para demonstrar física e publicamente o seu apoio à revolução com atos de ocupação e manifestações de protestos, se estabelecendo em locais simbólicos “para ter um quartel general visível ao público”. Em muitos casos, a praça central da capital. “A ocupação deve parecer espontânea e palcos e acampamentos montados na área ocupada (...) e um pequeno grupo de membros do núcleo geralmente se faz sempre presente em campo para comandar as atividades. (Como esquecer o MBL acampado na paulista, recebendo quentinhas da FIESP?)”.

O dinheiro é a espinha dorsal de toda a revolução colorida. “Ele transforma as ideias do movimento social em ação tangível (infraestrutura física e oferece um “ninho” para o cultivo da ideologia. (...) A infraestrutura financeira injetará dinheiro continuamente para suas empreitadas. O financiamento permite que a revolução colorida se firme na sociedade e dissemine suas ideias para todos os lados e a todo o tempo”.

O receituário é extenso, mas só pelos poucos itens aqui descritos já dá para perceber que não há como ignorar a eficiência da fórmula. Parece óbvio? Depois de vermos esse filme por aqui, como duvidar que dá certo?

Evo não caiu! Foi caído. Evo não fugiu! Preservou a própria vida e a dos seus compatriotas, contra a sanha assassina dos golpistas, que já fez mais de vinte mortos no país. Entendeu, senhor colunista, ou quer que desenhe?

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247