Governo Dilma não acabou, mostra Ibope

"Levantamento sobre a visão dos brasileiros sobre 2016 mostra que o governo possui uma reserva de credibilidade. As mesmas pessoas que dão a Dilma os piores índices de reprovação da história recente dos levantamentos sobre desempenho de governantes dizem que o país pode ter um ano melhor do que 2015. Isso mostra que o governo tem margem para agir e, se atuar na direção correta, sair do fundo do poço", avalia o jornalista Paulo Moreira Leite; "A maioria de 50% a 32% mostra que a população pode não aprovar a presidente, mas não desistiu do país. Minha hipótese: isso pode acontecer porque, apesar do desastroso ano de 2015, não se perdeu inteiramente a memória das mudanças ocorridas no Brasil", completa

www.brasil247.com - Brasília - DF, 07/12/2015. Presidenta Dilma Rousseff durante Cerimônia de abertura da X Conferência Nacional de Assistência Social. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
Brasília - DF, 07/12/2015. Presidenta Dilma Rousseff durante Cerimônia de abertura da X Conferência Nacional de Assistência Social. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR (Foto: Paulo Moreira Leite)


Ao examinar a visão dos brasileiros sobre 2016, uma pesquisa do Ibope estimulou profecias previsíveis em diversos Cavaleiros do Apocalipse de plantão nos tele-jornais. Compreende-se.

Para quem está empenhado em tentar demonstrar a incapacidade absoluta de Dilma Rousseff recuperar-se até o fim do mandato -- melodia obrigatória para embalar o projeto de impeachment -- a pesquisa deve ser apresentada como uma prova de que a paciência dos brasileiros esgotou-se e chegou a hora de mandar a presidente para casa sem muita demora.

O problema são os números. Para 50% dos brasileiros, o ano de 2016 será melhor do que 2015. Para 32%,  será pior. Trata-se de um resultado claro, sem direito a tergiversações.  Embora esse mesmo índice tivesse superado os 70% no início do primeiro mandato de Dilma, é impossível negar o significado de 50% no momento atual. A queda é inegável mas alguém vai achar que era inesperada?

O levantamento mostra que as mesmas pessoas que em todos levantamentos sobre o desempenho da presidente atribuem a  Dilma os piores índices de aprovação da história das pesquisas de opinião, acham que o país pode melhorar até o final do ano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esta é uma grande notícia para qualquer governo, em qualquer época. Ainda mais para um país que atravessou um ano de recessão e corre o sério risco de repetir a dose em 2016, na opinião da maioria dos analistas, muitos deles simpáticos ao governo e ao PT.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estes 50% mostram que iniciativas destinadas a melhorar a situação do país -- ou pelo menos tornar o quadro menos ruim -- terão acolhida junto a maioria dos brasileiros. Eles serão capazes de prestar atenção no que o governo vai dizer. Podem até acreditar que poderão  vir medidas que podem dar certo. Para eles, em resumo, o governo não acabou.

Os dados sugerem que, mesmo com a popularidade baixíssima, o governo possui uma reserva de credibilidade para agir e tentar encontrar uma saída. Isso é ainda mais notável  quando se considera o massacre permanente dos meios de comunicação contra tudo que se faz no Planalto. (Pode-se concluir, daí, que a mídia dispõe de uma credibilidade muito menor do que se costuma acreditar -- mas não vamos discutir isso agora.)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A maioria de 50% a 32% mostra que a população pode não aprovar Dilma, mas não desistiu do país. Minha hipótese: isso pode acontecer porque, apesar do desastroso ano de 2015, não se perdeu inteiramente a memória das mudanças ocorridas no país.

Seja como for, os 50% dão ao governo uma margem para agir. Caso venha a atuar na direção certa, oferecendo respostas que interessam à maioria, pode-se até pensar numa recuperação de verdade.  

Esta é a questão a ser encarada, agora.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email