Graça e desgraça nacional

www.brasil247.com - Deputado Daniel Silveira
Deputado Daniel Silveira (Foto: Agência Câmara)


Os conhecimentos prévios são inevitáveis durante o permanente processo educacional, eles fazem parte da prontidão de cada ser.  E precisam ser (sempre) levados em consideração.

A avaliação de um alunado passa pelo crivo oriundo da lavra dos antecedentes prévios de saber, que cada “ser em alumiação”, ou seja, cada aluno carrega em sua bagagem acadêmica. Seria absurdo excluir o pretérito cultural e social de cada humano. 

Extraio de minha vivência professoral de anos na malha estadual no Rio de Janeiro diversas experiências plurais com discentes portadores de comportamentos variados. E sempre a tônica da equidade, e alteridade fora minha companheira ao atuar no palco ( por vezes) intrincado do complexo projeto/ processo de gerar educação, e nunca como reprodutora, mas sempre com o senso crítico e a liberdade de ação recheada do encantamento da reflexão, e do respeito à ética na diversidade. A educação bancária não cabe na mala do humanismo, ela é um ato de exclusão. A educação existe para transformar a sociedade ao seu bel prazer e aos seus interesses rapaces. A Educação vem sendo uma desgraça para a maioria da pobre população.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Encontro na práxis do psicodrama moreniano uma ferramenta genial para combater o fenômeno biopsicossocial da colonialidade crônica. Junto à diversidade humana, ele une o teatro a psicologia, e faz brotar a unicidade. A técnica é aplicada ao grupo, e ao mesmo trabalha o indivíduo. Inclusive sob a forma de “Ideia legislativa” enviei a Casa parlamentar Senado federal uma proposta para incluir o PSICODRAMA como disciplina da grade curricular do Ensino Médio. Como atriz e produtora teatral com DRT 046699-Rj já realizei inúmeros projetos transversais lúdicos, utilizando a dramaturgia como ponto alto, com alunos da Educação básica ao longo de duas décadas, e vi os resultados brotarem, muitos deles transformando a apatia colonial brasileira da grande maioria, em valorização da autoestima há muito perdida. Isso foi uma intervenção e tanto. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A graça concedida ao rasgador de placas de ruas e de biografias; como a de Marielle Franco  foi uma ação interveniente a lá poder moderador.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E a nós jornalistas? O que restou? Comentar ou denunciar? Como bons críticos midiáticos...

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email