Guedes é obstáculo à reeleição de Bolsonaro

Para o jornalista Alex Solnik, as prioridades do ministro Paulo Guedes conspiram contra a reeleição de Bolsonaro e por isso estão sendo descartadas pelo núcleo duro do governo. "Ou Guedes troca sua agenda ou o chefe troca de ministro. Tal como ocorreu com Moro, Bolsonaro já não precisa dele tanto assim", avalia

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, para o Jornalistas pela Democracia 

Fundamental para Bolsonaro se eleger, seu fiador, aquele que saberia controlar o doidivanas, Paulo Guedes, a essa altura, mais atrapalha que ajuda: suas prioridades conspiram contra a reeleição, por isso estão sendo descartadas pelo núcleo duro do governo.

Está cada vez mais consolidada a força da troika militar – Braga Netto, Luiz Eduardo Ramos e Augusto Heleno – nas principais decisões do Planalto.

Dos civis que apitavam alguma coisa, Moro já foi defenestrado e Guedes periga ser o próximo.

Suspeito que foi ele mesmo quem estimulou a “debandada” em seu ministério, foi um recado: ou o governo apoia sua agenda ou vai todo mundo embora. Inclusive ele.

Sua insistência com a nova CPMF pegou tão mal que até as redes bolsonaristas, comandadas por seu chefe, o rebaixaram de Posto Ipiranga para Imposto Ipiranga, porque não tem como convencer alguém de dois neurônios que a criação de um novo imposto não vai aumentar a carga tributária dos brasileiros.

Todos sabem que o governo precisa fazer caixa. Se a reforma não tem objetivo de fazer caixa, vai servir para quê?

Claro que Bolsonaro quer distância desse papo, imposto nunca deu voto a ninguém, só tirou.

O outro sonho delirante de Guedes, privatizar até dizer chega, entregar por R$1 trilhão todas as estatais também foi para o brejo porque para ganhar aliados fieis no centrão – e assim evitar a abertura de impeachment, por exemplo – Bolsonaro tem que dar contrapartidas, não seria inteligente abrir mão de centenas de cargos muito bem remunerados que são a melhor moeda de troca de que ele dispõe e que estão nas estatais, e que sairiam do controle do governo .

Privatizar é dar tiro no pé da reeleição.

A terceira prioridade de Guedes. o “Plano Mão de Vaca”, também conspira contra a reeleição porque nega verbas ao tal “Plano Marshall”, lançado pelo general Braga Netto na reunião de 22 de abril e agora tocado por Rogério Marinho, um ministro cada vez mais forte.

Criar empregos, além de fundamental para os brasileiros, é ganhar votos.

Ou Guedes troca sua agenda ou o chefe troca de ministro.

Tal como ocorreu com Moro, Bolsonaro já não precisa dele tanto assim.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247