Haddad já pode cantar derrota

Não seria fácil ganhar no reduto do antipetismo, na cidade que derrubou a presidente Dilma e que sonha em acabar com as pretensões de Lula em 2018 justamente no período em que o PT enfrenta a sua maior crise de ódio. Haddad, no entanto, sejamos justos, nunca conseguiu dialogar com a cidade desde a sua eleição. Ele não conseguiu convencer a cidade de que o que fazia era bom para todos os cidadãos

Não seria fácil ganhar no reduto do antipetismo, na cidade que derrubou a presidente Dilma e que sonha em acabar com as pretensões de Lula em 2018 justamente no período em que o PT enfrenta a sua maior crise de ódio. Haddad, no entanto, sejamos justos, nunca conseguiu dialogar com a cidade desde a sua eleição. Ele não conseguiu convencer a cidade de que o que fazia era bom para todos os cidadãos
Não seria fácil ganhar no reduto do antipetismo, na cidade que derrubou a presidente Dilma e que sonha em acabar com as pretensões de Lula em 2018 justamente no período em que o PT enfrenta a sua maior crise de ódio. Haddad, no entanto, sejamos justos, nunca conseguiu dialogar com a cidade desde a sua eleição. Ele não conseguiu convencer a cidade de que o que fazia era bom para todos os cidadãos (Foto: Alex Solnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Não se sabe quem vai ganhar a eleição a prefeito de São Paulo, mas já se sabe quem não vai.

Candidato à reeleição que a dez dias do Dia D não chega a 10% de intenções de voto não tem mais jeito.

O que não conseguiu em quatro anos de mandato não vai conseguir em tempo tão exíguo.

Essa é a situação de Fernando Haddad: é o primeiro que pode cantar derrota.

Haddad já perdeu.

Não seria fácil ganhar no reduto do antipetismo, na cidade que derrubou a presidente Dilma e que sonha em acabar com as pretensões de Lula em 2018 justamente no período em que o PT enfrenta a sua maior crise de ódio.

O ódio ao PT nasceu e se desenvolveu em São Paulo.

Haddad, no entanto, sejamos justos, nunca conseguiu dialogar com a cidade desde a sua eleição.

Nunca houve diálogo, mas discussão.

Ele não conseguiu convencer a cidade de que o que fazia era bom para todos os cidadãos.

Ficou na defensiva o tempo todo, debaixo de ataques sucessivos.

Foi atacado por aumentar preço do ônibus; foi atacado por pintar ciclovia a torto e a direito, na frente de garagens e lojas; foi atacado por proibir sacolinhas de plástico de supermercado, exigindo a troca por novas, que passaram a ser cobradas; foi atacado por permitir o Uber, colocando os taxistas em pé de guerra; foi atacado por diminuir a velocidade dos carros.

Foram quatro anos de infinitos debates.

E, convenhamos, ele não ganhou nenhum. Não conseguiu convencer a população que estava certo.

Também não se entendeu com a presidente Dilma, com quem convivia às turras apesar de serem do mesmo partido e compartilharem ideias políticas. Um detalhe que não passou despercebido aos mais atentos: ele jamais apagou as pichações "Fora Dilma" que passaram a frequentar os muros da cidade nos dois últimos anos.

Não conseguiu imprimir uma marca ao seu governo, nem se impor graças ao carisma pessoal.

Não conseguiu apagar a imagem de poste do Lula, mesmo sendo um intelectual de reconhecida capacidade.

No entanto, um bom professor universitário nem sempre resulta em bom prefeito.

Agora, Inês é morta.

Não adianta nem pedir socorro ao Lula.

Haddad é mais um para quem Rui Falcão vai ter que arrumar algum posto de destaque no partido na travessia até 2018.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247