Huck dispara nas redes e ultrapassa Bolsonaro

"A consultoria Quaest divulgou o IPD (Índice de Popularidade Digital), talvez o dado mais importante a partir de agora para as pretensões políticas de quem quer que seja. E o dado é que Luciano Huck disparou e ultrapassou até Bolsonaro nas interações e engajamento digital (75,36 a 66,24). Lula e o PT estão lá atrás (29,09)", relata o colunista Gustavo Conde sobre o cenário digital-eleitoral para 2022

Huck Bolsonaro
Huck Bolsonaro (Foto: Huck Bolsonaro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A batalha nas redes recomeçou. Ninguém vai dormir em serviço para 2022 (com alguma sorte nem a esquerda, mas é difícil dizer). Fato é que Luciano Huck entendeu isso e direcionou sua ação para o cenário digital.

A consultoria Quaest divulgou o IPD (Índice de Popularidade Digital), talvez o dado mais importante a partir de agora para as pretensões políticas de quem quer que seja.

E o dado é que Luciano Huck disparou e ultrapassou até Bolsonaro nas interações e engajamento digital (75,36 a 66,24). Lula e o PT estão lá atrás (29,09).

O levantamento da Quaest considera cinco dimensões: fama dos personagens públicos (número de seguidores), engajamento (comentários e curtidas por publicação), mobilização (compartilhamento das postagens), valência (reações positivas e negativas às publicações) e presença (número de redes sociais em que o usuário está ativo).

Para se ter uma ideia, há um mês atrás, Bolsonaro tinha IPD de 76,62 e Huck, de 36,89. Lula chegava a 36,38.

O IPD é o novo Ibope. Quem ignorá-lo estará fadado perder eleições sem entender por quê.

O crescimento assustador de Huck pode significar ainda uma dificuldade muito maior para o segmento progressista em 2022. Seria bom a esquerda não subestimar - de novo - os dados das redes digitais e saírem da posição de vítimas de fake news para a posição de agentes ativos e responsivos.

As redes sociais representam muito para quem tem pouco a dizer, é verdade. Mas este fato não pode afugentar das redes quem tem, efetivamente, algo a dizer.

Leiam um trecho da matéria do jornal Folha de S. Paulo sobre o levantamento da Quaest:

"'Em dezembro, capturamos um movimento muito surpreendente, porque é o segundo mês em que Bolsonaro e Lula caem em desempenho digital, e Huck agora aparece como nome que desponta', diz Felipe Nunes, professor da Universidade Federal de Minas Gerais e diretor da Quaest.

Segundo Nunes, o desempenho de Huck não está atrelado à política, mas à sua carreira na televisão. A análise mostra que as publicações com temas ligados ao cenário político fazem menos sucesso nas redes do apresentador."

Percebe-se que a exploração da miséria, essa demagogia barata de velhos políticos repaginada por Luciano Huck na televisão, acabou por se estabelecer fortemente como elemento de geração de populismo nas redes.

Já que a esquerda tem deixado as redes sociais em segundo plano, a direita e os falsos progressistas avançam a todo o vapor nesse campo de batalha, que vai se 'acostumando' a definir eleições e referendos pelo mundo.

Os dados da consultoria sobre Bolsonaro também explicam muito a relação do governo com a imprensa tradicional e com a opinião pública digital (que passa a dominar a opinião pública tradicional):

"O monitoramento da Quaest aponta que Bolsonaro tem picos de acordo com as crises do governo. A cada nova tensão, o presidente via cair seus pontos em valência (relação entre reações positivas e negativas), que cresciam novamente quando o conflito era solucionado.

'Ele ficou num zigue-zague, mas com uma rede de altíssima mobilização e engajamento. Ele conseguiu montar um fã clube que foi crescendo ao longo do ano', diz Nunes."

Percebe-se como funciona o bolsonarismo nas redes, de maneira articulada com as ações de governo. A cada vez que Bolsonaro demite um integrante de seu governo, sua popularidade sobe. É exatamente o contrário do que ocorria em governos anteriores, quando a crise instalada por um escândalo pontual era arrastada pelas páginas de jornal até o limite e prosseguia trepidante após as exonerações profiláticas.

O relatório da consultoria ainda dedica algumas considerações à presença de Lula nas redes:

"Já Lula, o terceiro no ranking do IDP, tem uma menor capacidade de articulação nas redes. O petista teve apenas dois episódios em que suas postagens se destacaram: em seu aniversário, em outubro, e na sua soltura, em novembro.

(...)

'É uma bolha muito pequena em comparação com Bolsonaro, com mobilização e engajamentos pequenos', afirma Nunes."

É bastante constrangedor que o líder político mais popular da história do país tenha uma performance tão acanhada nas redes sociais. Mas, no fundo, é compreensível.

A realidade conjuntural da produção do sentido político mudou de tal forma e de maneira tão acelerada, que os grandes estrategistas do passado recente estão sendo devorados por esse novo protocolo de comunicação.

O próprio Lula já entendeu isso. Quando ele diz que não existe mais a organização sindical dos anos 80 (entrevista ao Uol) e que agora a massa de trabalhadores está dispersa, ele já deu o diagnóstico para uma nova safra de abordagens técnicas no que diz respeito à comunicação do partido e da mobilização dos trabalhadores.

É um desafio experimentar o novo. Dá um certo frio na espinha. Mas a esquerda não pode mais continuar ignorando a cena profissional da comunicação digital.

É uma questão de escala - que o PT conhece muito bem quando evoca as diferenças entre os governos Lula e FHC: um programa de inclusão social como o Comunidade Solidária da socióloga Ruth Cardoso atingia um milhão de pessoas. O Bolsa Família atingiu 50 milhões.

O PT tem se comportado no campo digital - como os governos FHC se comportaram com o país. É quase uma presença protocolar. Educada e tímida.

Enquanto isso, o populismo digital avança a passos largos, colocando em evidência um explorador da miséria humana que é Luciano Huck e a própria miséria humana.

Sem alarde, a Rede Globo de Televisão, que vai perdendo espaço para a Internet, vai dando um 'drible da vaca' em todos nós, infiltrando o seu cavalo de Troia na muralha digital do bolsonarismo para desfilar impávida mais uma vez na passarela da concentração de renda no país mais desigual do mundo.

E o desfile tem data marcada: 2022.

Aguentem a ascensão do apresentador de televisão. Depois de um nazista, poderemos ter um playboy metido a gente fina na presidência da República.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247